Confiança do consumidor no Brasil recua em setembro

Índice voltou ao nível de junho, quando sentia a greve dos caminhoneiros.

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
iStock
iStock

Consumidor se sente inseguro com a proximidade das eleições

Acessibilidade


A confiança do consumidor brasileiro diminuiu em setembro pelo segundo mês seguido, devido à piora das expectativas para os próximos meses, em meio à frustração com a recuperação lenta do mercado de trabalho, informou hoje (24) a Fundação Getulio Vargas (FGV).

LEIA MAIS: Indústria tem menor intenção de investimento em um ano

Com queda de 1,7 ponto em relação a agosto, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) atingiu em setembro 82,1 pontos, voltando ao nível de junho, quando a confiança havia sido abalada pela greve dos caminhoneiros do mês anterior.

“O resultado parece estar diretamente relacionado à situação financeira das famílias e à lenta recuperação do mercado de trabalho. Apesar de adicionar dúvidas, o cenário político-eleitoral não parece ser o principal fator para a queda do indicador em setembro”, disse a coordenadora da Sondagem do Consumidor, Viviane Seda Bittencourt, em nota.

A atividade econômica no Brasil atualmente vem apresentando um ritmo fraco de crescimento, marcada pelo desemprego em dois dígitos e ampla capacidade ociosa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apesar de uma leve melhora das avaliações sobre a situação atual, o resultado de setembro teve como base a piora das expectativas para os próximos meses.

O Índice de Situação Atual (ISA) avançou 0,9 ponto, para 72,3 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE) recuou 3,3 pontos, para 89,7 pontos, registrando o menor nível desde fevereiro de 2017.

Segundo a FGV, o indicador que mede o grau de satisfação com a economia no momento caiu 1,1 ponto em setembro, retornando ao nível de junho de 77,5 pontos). Já o indicador que mede o otimismo com relação à evolução da economia recuou 3,4 pontos, chegando a 100,0 pontos, o patamar mais baixo desde maio de 2016.

Compartilhe esta publicação: