Blockchain vai rastrear sustentabilidade de alimentos

GettyImages
A ferramenta utiliza tecnologia de ponta para rastrear produtos individuais desde a origem até a chegada ao consumidor.

A organização não governamental Climate Action anunciou que a WWF, em parceria com a BCG Digital Ventures, criou uma nova plataforma de blockchain para ajudar as pessoas a rastrearem a sustentabilidade dos alimentos.

VEJA TAMBÉM: As 8 tendências da indústria de alimentos para 2019

Batizada de OpenSC, a ferramenta utiliza tecnologia de ponta para rastrear produtos individuais desde a origem até a chegada ao consumidor. O objetivo é ajudar empresas e consumidores a evitar produtos ilegais, prejudiciais ao meio ambiente ou antiéticos.

A iniciativa permitirá que as empresas acompanhem seus produtos – como carne ou peixe, por exemplo – adicionando um código blockchain exclusivo no ponto de origem. A tecnologia é um registro digital, à prova de falsificação, com informações acessíveis a todos, que pode ser usado para rastrear mantimentos à medida que eles se movimentam pela cadeia de suprimentos.

Essa tecnologia permitirá que os consumidores descubram o histórico completo de um produto usando apenas o smartphone para escanear o QR code.

A WWF diz que quando um peixe é capturado no mar, ele recebe uma etiqueta RFID (identificação por radiofrequência). O aprendizado de máquina e a localização do GPS são usados ​​para verificar se ele foi capturado em uma área legal. Quando em filetes, a etiqueta RFID é convertida em um QR code exclusivo para cada parte. Isso permitirá que os consumidores em todo o mundo acompanhem a sustentabilidade do produto.

“Com o OpenSC, teremos um novo nível de transparência para certificar que os alimentos que ingerimos não estão contribuindo para a degradação de habitats e espécies, bem como injustiça social e negligenciamento dos direitos humanos, como a escravidão. Ela irá revolucionar a forma como todos nós compramos alimentos e outros produtos, permitindo uma tomada de decisão mais consciente por consumidores, empresas, governos e órgãos da indústria”, diz Dermot O’Gorman, CEO da WWF-Austrália.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).