Airbnb quer explicar melhor seu modelo de hospedagem no Brasil

Getty Images
Plataforma de hospedagens afirma ter o desafio de melhorar ainda mais o entendimento de consumidores sobre as possibilidades da plataforma

A Airbnb busca aumentar o entendimento sobre seu modelo de hospedagens em espaços privados e experiências por usuários no Brasil, onde cresce o uso da plataforma para geração de renda adicional.

O Brasil ocupa o 13º lugar em uma lista elaborada pela empresa que mede sua geração de impacto econômico no mundo, considerando os 191 países onde o serviço está presente.

A plataforma afirma que gerou um impacto de R$ 7,7 bilhões na economia brasileira em 2018. Isso diz respeito à atividade comercial resultante das hospedagens no comércio dos bairros onde estão os hóspedes, bem como a renda recebida por anfitriões que recebem hóspedes pela plataforma.

Considerando o crescimento da economia compartilhada como meio de geração de renda no Brasil, aumentar a conscientização desta possibilidade faz sentido. Este é um dos objetivos da empresa, bem como acompanhar a evolução das demandas de sua base de usuários.

“Nossos desafios são relacionados à contínua inovação do negócio e as constantes mudanças no comportamento do consumidor,” diz Leonardo Tristão, diretor-geral da Airbnb na América do Sul.

“Gerar mais compreensão e confiança aos consumidores em relação à plataforma, por exemplo, é um desafio constante,” afirma.

“Temos trabalhado bastante neste sentido e também, mostrado todos os benefícios que geramos às cidades.”

A Airbnb diz hospedar por volta de 2 milhões de pessoas globalmente, todos os dias.

***

A empresa tem procurado agregar mais serviços à sua oferta de acomodação nos últimos anos, como um marketplace de experiências, onde atividades são oferecidas por moradores locais, como voos de parapente no Rio ou aulas de fotografia no Mercado Municipal de São Paulo.

Atualmente, existem mais de 1.100 experiências ofertadas em todo o Brasil. A empresa vê este produto como um instrumento de turismo responsável, que também permite a geração de renda extra.

“Houve um aumento de 71% na quantidade de chegadas de hóspedes em 2018 em comparação a 2017, e há um crescimento cada vez maior do nosso produto de Experiências, por exemplo,” afirma.

O marketplace de experiências produz sugestões personalizadas com base em critérios que incluem o valor da acomodação reservada e o histórico de busca do usuário na plataforma e usa tecnologias como machine learning para apresentar sugestões a usuários.

Este produto em particular é enfatizado pelo Airbnb como uma plataforma de empreendedorismo: a empresa afirma que anfitriões ganharam US$ 2.500 (R$ 10.386) em média por experiência em 2018, com alguns hosts ganhando mais de US$ 300.000 (R$ 1,2 milhão) por ano.

 

Angelica Mari é jornalista especializada em inovação há 18 anos, com uma década de experiência em redações no Reino Unido e Estados Unidos. Colabora em inglês e português para publicações incluindo a FORBES (Estados Unidos e Brasil), BBC, The Guardian e outros. 

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).