Morre Alexei Leonov, primeiro humano a caminhar no espaço

Redação, com Reuters
Compartilhe esta publicação:
Ben Pruchnie/Getty/Images
Ben Pruchnie/Getty/Images

Alexei Leonov morreu aos 85 anos de idade após enfrentar uma longa doença

Acessibilidade


Alexei Leonov, que se tornou o primeiro humano a andar no espaço em 1965, morreu hoje (11) aos 85 anos de idade após enfrentar uma longa doença, informou a agência de notícias russa “TASS”.

LEIA MAIS: Bezos cobrará pelo menos US$ 200 mil por viagem ao espaço

Embora menos conhecido internacionalmente que Yuri Gagarin, o primeiro homem a entrar no espaço, Leonov era um nome familiar em sua terra natal, a Rússia, e será lembrado em particular por seu papel na missão Voskhod-2, de 1965.

Durante esse voo, um dos dois que ele fez no espaço durante sua carreira, Leonov se tornou o primeiro humano a realizar uma caminhada espacial, um episódio que durou 12 minutos e 9 segundos.

O passeio foi estressante para Leonov, cujo traje espacial se encheu de ar, a ponto de ele ter que lutar para voltar à espaçonave.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Leonov voou para o espaço novamente em 1975, comandando a metade soviética da missão Apollo-Soyuz, o primeiro voo espacial dos Estados Unidos com a União Soviética. A viagem ocorreu em um momento em que a Rússia e os EUA – que passaram parte da Guerra Fria em uma corrida espacial – estavam seguindo uma política de distensionamento.

O presidente russo, Vladimir Putin, conhecia Leonov bem e tinha grande respeito por sua coragem, disse o porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov nesta sexta-feira, segundo a “TASS”.

A Nasa disse em comunicado no Twitter que ficou triste com a morte de Leonov. “Sua aventura dentro do vácuo do espaço começou a história de atividade extraveicular que possibilita a manutenção da Estação Espacial hoje”, afirmou.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: