FDA aprova cloroquina e hidroxicloroquina para tratamento emergencial de coronavírus

Reprodução Forbes
Reprodução Forbes

Medicamentos podem ter riscos, como problemas de visão ou parada cardíaca

O FDA, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA, emitiu uma autorização de emergência para tratamentos experimentais de coronavírus usando os medicamentos anti-malária cloroquina e hidroxicloroquina, apesar de provas clínicas inconclusivas de sua eficácia.

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS, na sigla em inglês) disse, no domingo (29), que os produtos podem “ser distribuídos e prescritos pelos médicos para pacientes adolescentes e adultos hospitalizados com Covid-19, conforme apropriado, quando um ensaio clínico não estiver disponível ou viável”.

VEJA TAMBÉM: Potencial tratamento para o coronavírus anunciado por Trump já tem escassez, dizem farmacêuticos

A entidade disse que a alemã Sandoz já forneceu 30 milhões de doses de hidroxicloroquina ao suprimento médico do governo federal para emergências de saúde pública, enquanto a Bayer doou 1 milhão de doses de cloroquina.

A agência está acelerando um processo que geralmente leva anos, enquanto o FDA conduz ensaios clínicos em Nova York, um dos epicentros norte-americanos do vírus.

O HHS disse que a autorização de emergência foi emitida porque os benefícios potenciais do produto superam os riscos e reconheceu que relatórios anedóticos sugerem que esses medicamentos podem oferecer algum benefício no tratamento de pacientes com Covid-19 hospitalizados, mas” ensaios clínicos são necessários para fornecer informações científicas. evidência de que esses tratamentos são eficazes”.

O presidente norte-americano Donald Trump tinha dito falsamente antes que o FDA havia aprovado os medicamentos.

A confusão sobre seu uso levou alguns americanos a procurar substituições sem receita, como um homem do Arizona que comprou uma forma não farmacêutica de fosfato de cloroquina, um produto químico comum usado para limpar tanques de peixes, que o matou.

E AINDA: Como estão as pesquisas de 26 farmacêuticas em medicamentos e vacinas para a Covid-19

O CDC alerta contra a ingestão de fosfato de cloroquina não farmacêutico sem receita médica e a supervisão de um profissional de saúde, porque “pode ​​causar sérias consequências à saúde, incluindo a morte”.

Trump continua elogiando as drogas antimaláricas em entrevistas diárias à imprensa. A Fox News dedicou segmentos aos benefícios potenciais e às figuras da direita, incluindo o advogado pessoal do presidente, Rudy Giuliani, e o fundador da Turning Points nos EUA, Charlie Kirk, que promoveram a cloroquina e a hidroxicloroquina como cura de coronavírus. O Twitter acabou removendo um tuíte de Giuliani que dizia falsamente que “a hidroxicloroquina demonstrou ter uma taxa 100% eficaz de tratamento do Covid-19”. Não existe cura ou vacina comprovada para o coronavírus.

Os cientistas esperam que a cloroquina e a hidroxicloroquina –drogas de décadas usadas para tratar malária, lúpus e artrite reumatoide– possam ser usadas para tratar o coronavírus, mas estudos iniciais forneceram evidências mistas comprovando sua eficácia, e os medicamentos podem ter riscos, como problemas de visão ou parada cardíaca. O frenesi em torno do tratamento levou alguns médicos a estocar hidroxicloroquina –que é vendida sob a marca Plaquenil– prescrevendo para si ou para suas famílias. Alguns conselhos estaduais de farmácias emitiram regras limitando prescrições, incluindo Texas, Louisiana, Ohio e Carolina do Norte.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).