Pandemia de coronavírus “poderia causar 40 milhões de mortes sem medidas preventivas”, sugere estudo

Reprodução/Forbes
Segundo o estudo, se deixado sem controle, o vírus “provavelmente” causaria a morte de 40 milhões de pessoas neste ano e poderia ter infectado 7 bilhões de pessoas

Pesquisadores do Imperial College de Londres descobriram que a Covid-19 poderia ter causado 40 milhões de mortes em todo o mundo neste ano sem medidas preventivas, colocando em foco o impacto que o distanciamento social precoce e os testes destinados a retardar a propagação da doença podem ter.

Os pesquisadores analisaram várias possibilidades: o mundo não reagindo à Covid-19; cenários atenuados, onde ocorre o distanciamento social; e outros cenários para suprimir a propagação do vírus, como testes.

VEJA MAIS: Como estão as pesquisas de 26 farmacêuticas em medicamentos e vacinas para a Covid-19

Eles descobriram que, deixado sem controle, o vírus “provavelmente” causaria a morte de 40 milhões de pessoas neste ano e poderia ter infectado 7 bilhões de pessoas –quase toda a população global.

A pesquisa também descobriu que o distanciamento social pode reduzir pela metade esse impacto, mas sem uma ação rápida e decisiva, pode deixar os sistemas de saúde em todo o mundo, principalmente nas regiões de baixa renda, sobrecarregados.

A equipe constatou que a adoção rápida de “medidas comprovadas de saúde pública”, como testes, isolamento de casos confirmados e medidas difundidas de distanciamento social, é “crítica” para retardar a disseminação do vírus.

“É necessária uma ação rápida, decisiva e coletiva por todos os países para limitar o efeito dessa pandemia. A ação precoce tem o potencial de reduzir a mortalidade em até 95%, salvando 38,7 milhões de vidas”, disse o professor Azra Ghani, autor do relatório.

O relatório acrescenta: “Se todos os países adotassem essa estratégia quando a taxa de letalidade estivesse 0,2 mortes por 100 mil habitantes por semana, 95% das mortes poderiam ser evitadas, salvando 38,7 milhões de vidas. No entanto, se essa estratégia for adotada posteriormente (1,6 óbitos por 100 mil habitantes por semana), esse número cai para 30,7 milhões.”

As estratégias para conter o vírus precisariam ser mantidas até que o tratamento seja disponibilizado, disseram os pesquisadores.

Patrick Walker, que escreveu o relatório, disse: “Estimamos que o mundo enfrenta uma emergência aguda de saúde pública sem precedentes nas próximas semanas e meses. Nossas descobertas sugerem que todos os países enfrentam uma escolha entre medidas intensivas e caras para suprimir a transmissão ou arriscar que os sistemas de saúde se tornem rapidamente sobrecarregados No entanto, nossos resultados destacam que uma ação rápida, decisiva e coletiva agora salvará milhões de vidas no próximo ano”.

Cerca de 540 mil pessoas contraíram Covid-19 em todo o mundo até o momento, enquanto 25 mil pessoas morreram, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. Os EUA estão agora enfrentando o maior número de infecções de qualquer nação, com mais de 86 mil casos confirmados. Vários países adotaram abordagens diferentes para combater o vírus –a China continental, onde o surto foi detectado pela primeira vez no final do ano passado, foi a primeira a impor um bloqueio de dezenas de milhões de pessoas, que começou a aumentar à medida que novos casos domésticos parecem diminuir. Singapura e Coreia do Sul, que também foram pontos quentes para o vírus, adotaram testes iniciais e generalizados da população. De acordo com dados de ontem (26) Ministério da Saúde, o Brasil tem 77 mortes e 2.915 casos.

Alguns dos países europeus mais atingidos eventualmente impuseram bloqueios em todo o país que foram estendidos na Itália e na Espanha. O Reino Unido, que inicialmente adotava uma abordagem mais cautelosa das medidas de distanciamento social, fechou todos os negócios não essenciais e instou as pessoas a ficar em casa. O governo está enfrentando pedidos para acelerar os testes entre os profissionais de saúde.

A abordagem dos EUA também foi lenta, e os testes foram severamente atrasados ​​e limitados. O presidente Donald Trump inicialmente minimizou a gravidade da doença, forçando os governadores de todo o país a imporem bloqueios por estado. Os legisladores estão agora à beira de aprovar uma lei de alívio econômico de US$ 2 trilhões.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).