Pesquisa exclusiva mostra que millennials continuam despreocupados com novo coronavírus

gettyimages-flashpop
gettyimages-flashpop

Concluída em 18 de março, a votação constatou que 35% dos americanos entre 18 e 29 anos acreditam que a crise da Covid-19 é exagerada

Nos últimos dias, o presidente norte-americano Donald Trump, o bilionário investidor Bill Ackman, vários governadores e muitos dos principais médicos dos EUA criticaram os jovens americanos por evitar avisos sobre o coronavírus ser mortal, ignorando pedidos de distanciamento social. A mais recente pesquisa Forbes Under 30, promovida pela John Zogby Strategies, considera que as críticas ao comportamento da geração do milênio estão bem colocadas. Os números dizem respeito aos norte-americanos, mas servem de termômetro para o restante do mundo.

Concluída em 18 de março, a votação constatou que 35% dos americanos entre 18 e 29 anos acreditam que a crise da Covid-19 é exagerada. Menos de 50% dos entrevistados pensam que é uma ameaça genuína à saúde.

As respostas variaram consideravelmente, dependendo das tendências políticas, com 54% dos jovens democratas acreditando ser uma crise completa contra 38% dos entrevistados republicanos. Enquanto isso, 32% dos democratas consideram a resposta atual dos governos, empresas e mídia como exagerada, contra 44% dos republicanos.

Independentemente das afiliações de seus partidos, as ações da geração do milênio correspondem às suas atitudes. Quando perguntados se eles ajustaram suas rotinas durante a última semana, aproximadamente um quarto dos jovens disse que não deixou o vírus prejudicar suas vidas sociais –apesar dos alertas urgentes para ficar em casa. Quando se analisa encontros românticos, por exemplo, enquanto 43% das pessoas relataram que namoraram menos por causa da doença do que na semana anterior, 38% surpreendentes disseram que estão se encontrando o mesmo de sempre. E 12% disseram que estão fazendo isso com ainda com mais frequência. Esses números são praticamente os mesmos quando se trata de se reunir com amigos e jantar em restaurantes.

LEIA MAIS: Estudo mostra que infecção por coronavírus é leve em mais da metade das crianças

Quando se trata de gerenciar a ameaça do coronavírus, os jovens americanos parecem confiar mais no líder democrata Joe Biden, pré-candidato à presidência, do que em Trump. Quase 50% dos entrevistados prefeririam Biden a liderar a luta contra a pandemia, contra 36%, que se sentem melhor com Trump na Casa Branca.

Mas eles não têm muita fé em nenhum dos políticos ao lidar com a crise. Dos entrevistados, 18% consideraram Trump altamente confiável ao lidar com o vírus, enquanto apenas 16% consideraram Biden altamente credível sobre o assunto.

A América corporativa recebeu notas ainda mais baixas. A pesquisa Forbes Under 30 informou que 20% dos jovens americanos consideram os CEOs dos EUA altamente não confiáveis ​​no manejo do problema. Apenas 12% dos pesquisados ​​acreditavam que os CEOs poderiam controlar o vírus com capacidade. As organizações de saúde pública se saíram muito melhor. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças ganharam a confiança de quase 70% dos entrevistados, enquanto a Organização Mundial da Saúde teve o apoio de 75%.

O mundo agora está respondendo rápido e agressivamente à ameaça do coronavírus. Nos EUA, os líderes estão dificultando reuniões e a socialização de indivíduos de todas as idades. Muitas escolas e escritórios estão fechados e praias e parques bloqueados. O governador da Califórnia emitiu uma ordem estadual para que os residentes fiquem em casa.

A próxima pesquisa da Forbes Under 30 anos revelará como as medidas mais extremas de isolamento e fechamento de negócios afetam as atitudes dos jovens e sua vida amorosa.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).