Crocodilos marinhos pré-históricos se adaptaram como baleias à vida no Oceano

Handout-via-REUTERS
Handout-via-REUTERS

Crocodilos marinhos da ordem Thalattosuchia, que apareceram no período Jurássico há cerca de 182 milhões de anos

Uma linhagem fantástica de parentes dos crocodilos, que se desenvolveu para espécies de predadores marinhos de nado rápido no momento em que dinossauros dominavam a Terra, adaptou-se à vida nos oceanos com uma modificação evolutiva fundamental que também é encontrada nas baleias.

Mas os crocodilos fizeram isso 100 milhões de anos atrás.

LEIA MAIS: Cientistas descobrem ovos de dinossauros coloridos

Estudos publicados ontem (20) detalham as mudanças no sistema vestibular – presente na parte interna do ouvido e responsável pelo senso de equilíbrio – dos crocodilos marinhos da ordem Thalattosuchia, que apareceram no período Jurássico há cerca de 182 milhões de anos e se extinguiram no período Cretáceo aproximadamente 125 milhões de anos atrás.

Como as baleias, os Thalattosuchias passaram por grandes mudanças no esqueleto enquanto evoluíram de ancestrais terrestres, transformando membros em nadadeiras, otimizando seus corpos e desenvolvendo uma barbatana caudal para garantir um nado forte.

Eles também alteraram seus sistemas sensoriais, como foi evidenciado pelas mudanças no ouvido internos reveladas em escaneamentos CAT de crânios fossilizados de Thalattosuchias: três canais semicirculares que se tornaram mais largos e menores quando comparados ao ancestral terrestre.

As baleias, que aparecem pela primeira vez há 50 milhões de anos, possuem anatomia do ouvido interno semelhante. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).