Ex-executivo preso pede licença da cadeia para pesquisar tratamento contra o novo coronavírus

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

O condenado destacou não esperar lucrar com um possível tratamento

O ex-executivo de biotecnologia Martin Shkreli, que está cumprindo uma sentença de prisão de sete anos por fraude em valores mobiliários, acha que pode encontrar um tratamento para o novo coronavírus –e quer uma licença de três meses da prisão federal para fazê-lo.

Em um artigo de pesquisa de 11 páginas publicado no site da Prospero Pharmaceuticals, uma empresa que Shkreli fundou em maio de 2015, o empresário encarcerado apresenta oito medicamentos existentes que poderiam ser usados ​​para tratar a Covid-19.

O artigo foi coescrito com Kevin Mulleady, associado de negócios de Shkreli. Jason Sommer, James Rondina e Maureen Lohry também estão listados como autores. Lohry e Rondina já trabalharam juntos com o especialista e escreveram cartas em 2017 pedindo clemência quando ele foi condenado. Já Sommer está listado como um “cidadão cientista”.

Shkreli ganhou notoriedade e o apelido de “pharma bro” em 2015, depois que surgiram relatos de que ele subiu o preço do medicamento de sua empresa farmacêutica em 4.000%. Ele foi preso no final de 2015 por fraude de valores mobiliários e condenado a sete anos de prisão. 

VEJA TAMBÉM: Como estão as pesquisas de 26 farmacêuticas em medicamentos e vacinas para a Covid-19

Segundo ele, os atuais esforços da indústria farmacêutica não vão longe o suficiente, e sua presença na produção de tratamentos pode ajudar já que ele é “um dos únicos executivos com experiência em todas as etapas do desenvolvimento de medicamentos.”

O advogado do empresário, Benjamin Brafman, disse à “Newsweek” que solicitaria formalmente uma licença de uma instituição correcional federal em Allenwood, Pensilvânia, para que Shkreli possa realizar pesquisas “em um laboratório sob estrita supervisão”. O condenado destacou não esperar lucrar com um possível tratamento.

“Estou pedindo uma breve licença (três meses) para ajudar no trabalho de pesquisa no combate ao coronavírus. Ser libertado para um mundo pós-covid não é consolo nem para os encarcerados. Como um bem-sucedido empresário de  biofarma, que adquiriu várias empresas, inventou vários novos medicamentos, apresentou vários INDs e pedidos de ensaios clínicos, sou um dos poucos executivos com experiência em TODOS os aspectos do desenvolvimento de medicamentos”, declarou.

Figuras públicas notáveis, do rapper Tekashi 6ix9ine ao ex-advogado de celebridades Michael Avenatti, também estão pedindo libertação antecipada da prisão, citando receios de contrair o coronavírus. Os prisioneiros são considerados especialmente vulneráveis ​​ao vírus devido a superlotação de presídios.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).