Líderes mundiais lançam plano da OMS para conter Covid-19 sem EUA

Projeto pretende acelerar os trabalhos em exames, remédios e vacinas contra a doença.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS_Denis-Balibouse
REUTERS_Denis-Balibouse

O projeto focará no desenvolvimento de exames, tratamentos e vacinas

Acessibilidade


Líderes mundiais prometeram hoje (24) acelerar os trabalhos em exames, remédios e vacinas contra a Covid-19 e compartilhá-los em todo o mundo, mas os Estados Unidos não participaram do lançamento da iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS).

O presidente francês, Emmanuel Macron; a chanceler alemã, Angela Merkel; e o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, estavam entre aqueles que participaram de uma videoconferência para lançar o que a OMS divulgou como uma “colaboração histórica” para combater a pandemia.

LEIA MAIS: OMS lança iniciativa colaborativa para medicamentos, testes e vacinas de Covid-19

O objetivo é acelerar o desenvolvimento de remédios, exames e vacinas seguros e eficazes para evitar, diagnosticar e tratar a Covid-19, a doença pulmonar causada pelo novo coronavírus –-e garantir acesso igualitário a tratamento para ricos e pobres.

“Estamos enfrentando uma ameaça comum que só podemos derrotar com uma abordagem comum”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante a reunião virtual. “A experiência nos diz que, mesmo quando as ferramentas estão disponíveis, não foram disponibilizadas igualmente para todos. Não podemos permitir que isso aconteça”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que o objetivo de um esforço de ajuda global no início de maio seria arrecadar ‎€ 7,5 bilhões para intensificar o trabalho de prevenção, diagnóstico e tratamento. “Isto é somente um primeiro passo, mas mais serão necessários no futuro”, disse Von der Leyen na conferência.

Líderes da Ásia, do Oriente Médio e das Américas também participaram da videoconferência, mas um porta-voz da missão dos EUA em Genebra havia dito à Reuters que seu país não estaria envolvido.

“Embora os EUA não estejam participando do encontro em questão, não deveria haver dúvidas sobre nossa determinação em lidar questões de saúde globais, incluindo a atual crise de Covid”, disse ele por e-mail.

(com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: