EXCLUSIVO: Sanofi para de recrutar pacientes de Covid-19 para testes de hidroxicloroquina

ReutersDiego-Vara
A Sanofi vinha realizando dois testes clínicos aleatórios e controlados de hidroxicloroquina contra Covid-19

A Sanofi interrompeu temporariamente o recrutamento de novos pacientes de Covid-19 para dois testes clínicos de hidroxicloroquina e não fornecerá mais o remédio para tratar a doença até as dúvidas a respeito de sua confiabilidade serem esclarecidas, informou a farmacêutica hoje (29).

A decisão veio depois de a Organização Mundial da Saúde (OMS) parar seu grande teste de hidroxicloroquina, o que levou vários governos europeus a proibirem o uso do remédio, que é recomendado para tratar malária, artrite reumatoide e lúpus, mas que não tem comprovação de eficácia contra a Covid-19.

LEIA MAIS: Combinação com hidroxicloroquina apresenta riscos para pacientes com câncer e Covid-19, diz estudo

Tratou-se de um golpe duro na esperança de um tratamento, tal como alardeado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, enquanto farmacêuticas e governos correm para encontrar maneiras de tratar pacientes e controlar o novo coronavírus.

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro também é um ardoroso defensor do uso da cloroquina, da qual a hidroxicloroquina deriva, no tratamento da Covid-19.

A Sanofi vinha realizando dois testes clínicos aleatórios e controlados de hidroxicloroquina contra Covid-19.

Esperava-se que o primeiro testasse 210 pacientes dos EUA, França, Bélgica e Holanda no estágio inicial da doença que não estavam hospitalizados, e o segundo se concentraria em cerca de 300 pacientes hospitalizados com Covid-19 moderada ou grave na Europa.

O recuo da OMS resultou de um relatório publicado pelo periódico científico britânico “The Lancet” segundo o qual os pacientes que receberam hidroxicloroquina apresentaram taxas maiores de arritmia cardíaca e mortalidade.

Nesta sexta-feira, o “Lancet” emitiu uma correção do estudo relacionada à localização de alguns pacientes depois de receber críticas à sua metodologia, mas disse que as conclusões não se alteraram. O estudo não foi um teste aleatório, mas uma análise retrospectiva de registros médicos.

A Sanofi e a rival Novartis prometeram doar dezenas de milhões de doses do medicamento para Covid-19. No mês passado, a empresa francesa disse que já dobrou sua capacidade de produção em oito instalações e que se prepara para aumentá-la ainda mais. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).