EUA suspendem estudo com hidroxicloroquina para pacientes com Covid-19

ReutersConnect/George Frey
ReutersConnect/George Frey

Não foram encontrados benefícios do fármaco aos pacientes, apesar de não causar danos

O Instituto Nacional de Saúde dos EUA disseram no sábado que interromperam um ensaio clínico para avaliar a segurança e a eficácia do hidroxicloroquina, um medicamento contra a malária, para o tratamento de pacientes Covid-19 hospitalizados.

O estudo constatou que a hidroxicloroquina, que o presidente Donald Trump sempre elogiou como um possível tratamento, não proporcionou nenhum benefício aos pacientes, apesar de não causar danos, disse a agência em comunicado.

LEIA MAIS: Swiss Airlines voltará a operar rota São Paulo-Zurique em 3 de julho

No início desta semana, a Organização Mundial da Saúde disse que o estudo com a hidroxicloroquina, em seu amplo teste em países para tratamentos para pacientes com Covid-19, foi interrompido após novos dados e estudos não mostrarem benefício.

A agência reguladora de medicamentos dos EUA, a FDA, revogou sua autorização de uso emergencial para a hidroxicloroquina no tratamento do Covid-19 na segunda-feira.

Trump havia promovido a droga como um tratamento potencial, afirmando em março que poderia ser “uma das maiores mudanças na história da medicina” quando usada em combinação com o antibiótico azitromicina.

No mês passado, em um anúncio surpresa, Trump disse que estava tomando hidroxicloroquina de forma preventiva depois que dois assessores da Casa Branca tiveram diagnóstico positivo para o novo coronavírus que causa o Covid-19.

LEIA TAMBÉM: Brasil ultrapassa 1 milhão de casos de Covid-19

O Instituto Nacional de Saúde dos EUA anunciou em abril o seu teste com a hidroxicloroquina, usada no tratamento da malária e de doenças reumatóides, como a artrite. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).