Do desemprego ao novo normal: webinar da Forbes discute as diversas facetas da saúde mental

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

A presença de profissionais tão distintos fez com que fossem abordados os mais diversos aspectos da saúde mental

Na noite de ontem (11), a Forbes realizou o webinar “Saúde Mental e sua Importância nas Empresas”, que, por duas horas, na plataforma Zoom, deu voz a diversos especialistas em um debate atual sobre condições psicológicas, aumento de casos de ansiedade e depressão, medo da Covid-19, desemprego e o tão falado “novo normal”.

Antonio Camarotti, CEO e publisher da Forbes no Brasil, mediou o encontro, que contou com a presença dos cofundadores da Caliandra – empresa com soluções de saúde mental para pessoas e empresas -, Dr. Arthur Guerra, médico psiquiatra do Hospital Sírio Libanês, e Camila Magalhães, doutora em psiquiatria. Ao longo do evento, outros convidados trouxeram o seu expertise no tema: Maurício Ceschin, conselheiro da Mantris (empresa especializada em soluções de gestão de saúde e segurança ocupacional), Cristina Aiach Weiss, diretora regional de recursos humanos da Swiss RE, Fernando Ganem, diretor de governança clínica do Hospital Sírio Libanês, Nizan Guanaes, empresário e publicitário, e Roy Benchimol, presidente da Janssen Brasil, empresa da J&J.

LEIA TAMBÉM: Forbes lança canal de saúde mental no Telegram

A presença de profissionais tão distintos fez com que fossem abordados os mais diversos aspectos da saúde mental. Dados sobre o aumento dos casos de depressão e ansiedade foram complementados com relatos de como as empresas estão se readequando para dar suporte aos seus funcionários, e como a saúde ocupacional migrou de uma visão burocrática para um cenário de compreensão que está transformando empresas.

Para a médica psiquiatra Camila Magalhães, essa junção de profissionais no webinar foi essencial para que o assunto não fosse tratado de forma superficial. Afinal, a saúde mental está presente em todos os âmbitos da vida – e fortemente no campo profissional. “Mente e corpo são uma unidade. O problema pode não nascer no ambiente de trabalho, mas se manifesta por lá”, disse.

“Estamos quebrando esse muro de Berlim entre saúde assistencial e ocupacional. A visão tem que ser holística. Juntar as duas faz parte do novo modelo de saúde corporativa”, complementou Maurício Ceschin, conselheiro da Mantris. Essa mudança citada por Ceschin já está em trânsito há algum tempo, mas, se a pandemia acelerou tantas coisas, não seria nesse campo que ela nos pouparia de sua marca.

No momento atual, também não é possível falar de saúde psicológica sem citar a pandemia. O medo está presente nos profissionais de saúde, que estão na linha da frente do combate ao novo coronavírus, e na população, que se preocupa com os riscos da doença e da perda do emprego. Além disso, existe a solidão gerada pelo distanciamento social. “As relações humanas nos alimentam e a ausência nos cria angústia”, destaca Ceschin.

Com um desafio ímpar para o psicológico, o polêmico termo “novo normal” entra em cena, mostrando que a mudança do mundo é inevitável. Segundo o empresário e publicitário Nizan Guanaes, “o futuro não chega com fanfarra, chega despenteado, com a barba por fazer”, brinca. E é nos detalhes do cotidiano que percebemos a transformação e as consequências dessa crise em nossas vidas.

A tecnologia, por exemplo, é um avanço incrível, mas pode gerar vícios e inseguranças quanto ao posto de trabalho, visto que, assim como na revolução industrial, funcionários podem ser substituídos por máquinas. “Essa fase vai nos trazer possibilidades maravilhosas, porém, junto vem o desassossego por conta da disrupção dos empregos”, disse Guanaes. O novo normal é fonte de oportunidades e ansiedade. Uma dicotomia moderna que afeta diretamente a mente humana e gera a necessidade de “alfabetização” em relação aos novos costumes, ressaltou o publicitário.

E, para se alfabetizar nessa nova realidade, é preciso falar sobre ela, saber o que está acontecendo, preparar-se para as mudanças e entender que saúde mental é mais do que nunca um assunto que precisa ser tratado com naturalidade, nas empresas e na mídia. Webinars, palestras e debates são a peça-chave para a disseminação dessa compreensão. “A saúde mental precisa ser vendida como um valor, e não como um problema”, finalizou Nizan Guanaes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).