Sororidade – Uma nova aliança

Hinterhaus Productions/Getty Images
Hinterhaus Productions/Getty Images

As mulheres são mais fortes ao lado de outras mulheres

O conceito de sororidade não é novo e diz respeito à relação de irmandade, união, afeto ou amizade entre mulheres, assemelhando-se àquela estabelecida entre irmãs.

Porém, a prática deste conceito tem trazido três princípios fundamentais à tona.

Primeiro, a decisão das mulheres abandonarem o comportamento nocivo e até ancestral de desqualificar outra mulher, propagando de forma repetitiva falsas verdades sobre o gênero feminino.

Foi um costume dizer que mulheres não são amigas de verdade, mulheres são fofoqueiras, mulheres são competitivas e costumam ter outras mulheres como inimigas.

Eu gosto de dizer que essas frases hoje são cafonas, estão fora de contexto, são desprovidas de refinamento e sustentam um olhar quase provinciano.

Não, não somos mais assim. Despertamos do transe e percebemos que somos uma só, somos mais fortes porque temos umas as outras.

O segundo princípio fundamental é que estamos assumindo um feminino mais consciente da nossa profunda conexão instintiva. Passamos a legitimar a multiplicidade das mulheres e nos vermos representadas em cada uma.

As dores estão sendo legitimadas. Cada vez mais os movimentos que nos conectam nos transmitem força: a maternidade real, os desafios do cuidar, a nossa relação com o corpo e nossa culpa em relação as violências que sofremos. Tudo isso tem sido desnudado, debatido e uma grande fonte de abertura e aprendizado tem ficado cada dia mais disponível para todas.

O terceiro ponto que ainda é fruto de longos debates é a mulher deixar de se identificar como machista. Deixar de lado um modelo estrutural arcaico que nos trouxe tantas feridas, que nos fez sangrar e que gera a morte de tantas mulheres todos os dias.

A sororidade está em, juntas, aprendermos a educar nossos filhos agora que, finalmente, entendemos que o machismo – que durante muito tempo foi percebido por muitas como uma forma de se diferenciar e se aproximar do mundo dos homens – é, na verdade, um mecanismo para restringir nossas escolhas e nos limitar, oferecendo a cada uma de nós um aquário em vez da vastidão do oceano.

Flávia Camanho Camparini tem 20 anos de experiência na área de Estratégia de Desenvolvimento Humano, em grandes empresas como Grupo Pão de Açúcar, ABN Amro Bank e Johnson & Johnson. Nos últimos 9 anos dirigiu o Family Office da Família Setubal e Villela. Conduz o programa “Jornada do Feminino” com turmas no Brasil em parceria com o M.Inq e em Portugal, além de ter programas in company em empresas como XP Investimentos e Google.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).