Votorantim tem prejuízo de R$ 3,4 bilhões no 1º trimestre

A dívida líquida da Votorantim subiu mais de 60%, encerrando março em R$ 16,2 bilhões

A Votorantim, uma das maiores holdings diversificadas do Brasil, registrou um prejuízo líquido de R$ 3,4 bilhões no primeiro trimestre, revertendo um lucro de R$ 4,4 bilhões um ano antes, uma vez que a desvalorização do real fez com que aumentassem os custos de serviço da dívida.

Os resultados do trimestre também foram atingidos por uma baixa contábil de US$ 485 milhões, devido à redução das expectativas de geração de caixa para a mina de zinco Cerro Pasco da unidade Nexa Resources, no Peru, informou a Votorantim em comunicado.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

A dívida líquida da Votorantim – grande parte denominada em dólares – subiu mais de 60%, encerrando março em R$ 16,2 bilhões. Isso equivale a 3,55 vezes o lucro ajustado antes dos juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), acima de um múltiplo de 1,95 em dezembro.

As unidades da holding Votorantim Cimentos e Nexa também decidiram sacar linhas de crédito rotativo totalizando US$ 500 milhões. A Votorantim Cimentos usou os recursos para pagar antecipadamente títulos de divida externa e estender seus vencimentos de dívida. A Nexa, sediada em Luxemburgo, aumentou sua posição de caixa para ajudar a enfrentar a pandemia de coronavírus.

O diretor financeiro da Votorantim, Sergio Malacrida, disse que o índice de endividamento deve cair até o final do ano, já que um real mais fraco tenderá a favorecer a maior parte das vendas do grupo nos próximos trimestres. Ainda assim, ele se recusou a fornecer uma estimativa, pois as consequências do surto de vírus sobre a demanda permanecem incertas.

Ainda assim, as receitas do primeiro trimestre da Votorantim aumentaram 2% em relação ao ano anterior, para R$ 6,8 bilhões, com o aumento nas vendas de cimento e uma moeda brasileira mais fraca compensando os preços mais baixos do metal.

Malacrida disse que as operações no Peru e na Argentina, que foram parcialmente interrompidas no primeiro trimestre devido ao bloqueio relacionado ao coronavírus, estão sendo retomadas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).