Dólar segue exterior e cai com mercado de olho em balanços nos EUA

Reuters
Reuters

Às 9h24, o dólar à vista tinha queda de 0,45%, a R$ 5,3635 na venda

O dólar tinha queda ante o real no começo do pregão de hoje (14), seguindo fraqueza da moeda ante alguns rivais no exterior após mau humor da véspera por temores sobre a economia depois de novo fechamento de atividades nos Estados Unidos por causa do coronavírus.

Às 9h24, o dólar à vista tinha queda de 0,45%, a R$ 5,3635 na venda. Na B3, o dólar futuro recuava 0,74%, a R$ 5,3665.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

No exterior, o dólar perdia 0,15% ante uma cesta de moedas. O dólar cedia 0,7% ante o peso mexicano, 0,5% contra rand sul-africano e 0,3% frente ao peso chileno. Os futuros de Wall Street subiam, com atenção a relatórios trimestrais de bancos após queda dos índices à vista ontem (13).

“Hoje vemos ligeira recuperação das moedas, enquanto o momento para os ativos locais volta a melhorar, com a notícia de que Fundo Norueguês voltou a colocar a Petrobras como empresa elegível a investimentos. Movimento pode gerar fluxos pontuais mas relevantes no câmbio”, disse Luis Laudisio, operador da Renascença.

A Petrobras informou na véspera que voltou a ser elegível para receber investimentos do fundo de pensão norueguês KLP, que possui um patrimônio total de centenas de bilhões. Segundo a Petrobras, a decisão do KLP ocorreu em função do fortalecimento da governança na estatal.

O Banco Central atualizará os dados de fluxo cambial amanhã (15). Os últimos números mostraram que julho começou com déficit de quase US$ 400 milhões nos primeiros três dias de julho, após rombo de US$ 2,885 bilhões em junho.

Fluxo negativo aumenta a pressão sobre o dólar, o que tende a elevar o preço da moeda.

VEJA TAMBÉM: Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, e fique por dentro de tudo sobre empreendedorismo

O cenário para o fluxo tem sido abalado pela percepção de que a economia brasileira segue pressionada por um conjunto de incertezas de ordem política e fiscal. Dados do Banco Central mostraram nesta manhã que a atividade econômica medida pelo IBC-Br subiu 1,31% em maio, mas caiu 14,24% sobre o mesmo período de 2019. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).