Receita trimestral da Dell supera estimativas com crescimento de trabalho remoto

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Os pedidos da Dell no setor de educação subiram 24% no trimestre encerrado em 31 de julho

A Dell teve queda menor do que a esperada na receita trimestral, uma vez que a fraqueza no segmento de data center foi amortecida pela forte demanda por seus notebooks e produtos de software para trabalho remoto e ensino online.

A pandemia de Covid-19 provocou rápida migração para a nuvem, estimulando a demanda por produtos que permitem que as organizações continuem funcionando, com milhões de pessoas trabalhando de casa e as escolas dando aulas virtuais.

LEIA MAIS: Nubank levanta US$ 300 milhões, mostra documento

Os pedidos da Dell no setor de educação subiram 24% no trimestre encerrado em 31 de julho, e os pedidos do governo subiram 16%.

A empresa também viu um aumento na demanda por seus sistemas de jogos, incluindo Alienware, à medida que mais pessoas se voltaram para os games durante as restrições de circulação.

A receita do maior segmento da empresa, que inclui desktops, notebooks e tablets, caiu 4,6%, para US$ 11,2 bilhões, e as vendas de data centers caíram 4,8%, para US$ 8,21 bilhões, com as empresas direcionando seus gastos para o trabalho remoto, disse hoje (27) a companhia.

Sua unidade de software VMware, beneficiou-se diretamente da mudança para a nuvem e registrou aumento de 9,7% na receita, para US$ 2,91 bilhões. A Dell disse em julho que estava planejando cindir sua participação de 81% na unidade.

A receita total da empresa caiu 2,7% em relação a um ano antes, para US$ 22,73 bilhões, mas superou a estimativa média dos analistas de US$ 22,52 bilhões, de acordo com dados IBES da Refinitiv.

O lucro líquido caiu para cerca de US$ 1,1 bilhão, ou US$ 1,37 por ação, de US$ 4,23 bilhões, ou US$ 4,47 por ação. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).