Inadimplência tem mínima recorde e provisões de bancos públicos diminuem

Busakorn-Pongparnit/GettyImages
Busakorn-Pongparnit/GettyImages

A taxa de inadimplência chegou a 3,1% no mês passado

A inadimplência no segmento de recursos livres, em que as taxas de juros são livremente definidas pelas instituições financeiras, voltou a cair em setembro e renovou a mínima histórica.

De acordo com os dados do Banco Central divulgados hoje (26), a taxa de inadimplência chegou a 3,1% no mês passado, de 3,3% em agosto, menor nível da série iniciada em março de 2011.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Em meio a esse cenário, os bancos públicos reduziram seu nível de provisionamento ao menor patamar registrado neste ano.

O movimento de queda da inadimplência tem ocorrido desde junho a despeito dos temores associados à incapacidade de pagamento de empresas e famílias por conta da crise imposta pela pandemia de coronavírus.

No acumulado do ano, o recuo da inadimplência é de 0,6 ponto percentual (p.p.).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O próprio BC já tinha admitido em meses anteriores que alguns fatores poderiam estar contribuindo para essa queda, como renegociações e repactuações dos financiamentos e a possibilidade de postergação de parcelas instituída por bancos.

A concessão do auxílio emergencial também tem provido forte recomposição de renda aos brasileiros, de abril a agosto o programa concedeu um benefício de 600 reais a informais e vulneráveis. Para o período de setembro a dezembro, o valor mensal será de R$ 300. No total, a perspectiva do governo é gastar R$ 321,8 bilhões com a iniciativa.

Em seu Relatório de Estabilidade Financeira publicado neste mês, contudo, o BC alertou que o adiamento do pagamento de dívidas teve êxito em aliviar a liquidez de curto prazo dos clientes bancários e em preservar a solvência das instituições financeiras, mas pode ter postergado a materialização do risco de crédito.

Segundo os dados do BC, os bancos públicos diminuíram seu provisionamento a 5,6% em setembro, ante 5,7% em agosto e ao patamar mais baixo do ano.

Bancos privados nacionais reduziram o nível de provisão para perdas a 8,5%, sobre 8,7% no mês anterior, mas ainda acima dos níveis pré-pandemia (8,1% em fevereiro). Já as instituições financeiras estrangeiras mantiveram o índice estável em 5,3%, contra 4,9% em fevereiro.

Custo de Crédito

Em relação ao custo dos financiamentos no país, os juros médios caíram a 25,7% ao ano em setembro, contra 26,5% no mês anterior, dado que considera apenas o segmento de recursos livres.

O spread, que mede a diferença entre a taxa de captação dos bancos e a cobrada a seus clientes, teve retração de 1 ponto no mesmo período, a 21,1 pontos percentuais (p.p.).

O estoque total de crédito no país, incluindo também o crédito direcionado, subiu 1,9% em setembro sobre agosto, a R$ 3,810 trilhões, passando a 52,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

No acumulado dos nove primeiros meses do ano, a alta do crédito geral no país foi de 9,5% e em 12 meses de 13,1%.

Para 2020, o BC revisou para cima sua projeção de crescimento do crédito a 11,5%, de 7,6% antes, principalmente pela demanda acentuada de crédito das empresas em meio à pandemia de Covid-19, atendida tanto pela expansão do crédito livre como pelo crédito direcionado. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).