Klabin tem prejuízo de R$ 191 milhões no 3º tri, mas receita cresce

Forbes/Reprodução

No terceiro trimestre, o endividamento líquido da Klabin cresceu 39% na comparação anual, para R$ 21 bilhões

A Klabin teve prejuízo líquido de R$ 191 milhões no terceiro trimestre, revertendo o lucro de R$ 207 milhões registrado um ano antes, embora tenha diminuindo a perda em relação ao segundo trimestre (R$ 383 milhões).

A receita líquida somou R$ 3,1 bilhões de julho a setembro, alta de 25% na comparação ano a ano, com o mercado interno respondendo por 58% desse montante. O volume de vendas somou 910 mil toneladas, sendo de 799 mil um ano antes.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

De acordo com a Klabin, o crescimento no volume de vendas ocorreu em todas as linhas de negócios: celulose de fibra curta, celulose de fibra longa/fluff, papéis kraftliner, papéis cartões, embalagens de papelão ondulado de sacos industriais.

“Além do aumento no volume de vendas totais, a receita líquida foi impactada positivamente pela desvalorização do real no período, beneficiando as exportações da Klabin e as vendas de celulose, cuja receita é 100% atrelada ao dólar, inclusive no mercado doméstico”, disse a empresa.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O resultado operacional medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado alcançou R$ 1,2 bilhão, ante a R$ 1,4 bilhão no mesmo período do ano anterior.

No terceiro trimestre, o endividamento líquido da Klabin cresceu 39% na comparação anual, para R$ 21 bilhões. A dívida total da companhia, incluindo operações de financiamento com swap de taxas de real para dólar, resultou em R$ 23,169 bilhões.

O resultado financeiro ficou negativo em R$ 1 bilhão, contra R$ 1,2 bilhão um ano antes.

“O principal vetor de crescimento foi o aumento da conta de outros, oriundo de intervenções de manutenção que são realizadas no trimestre anterior a parada geral”, afirmou a empresa.

O custo caixa unitário total, que contempla a venda de todos os produtos da companhia, foi de R$ 2.060 por tonelada no trimestre, queda de 2,7% ano a ano, descontando o ganho não recorrente de R$ 620 milhões um ano antes devido ao efeito de crédito tributário extemporâneo. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).