Recuperação global pode perder força, diz chefe do FMI

Relatório ressaltou a natureza desigual da recuperação global e alertou que a crise deixará cicatrizes profundas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Vincent Isore / GettyImages
Vincent Isore / GettyImages

Relatório ressaltou a natureza desigual da recuperação global e alertou que a crise deixará cicatrizes profundas

Acessibilidade


A economia global está se recuperando do ápice da crise do coronavírus, mas há sinais de desaceleração do ritmo em países com ressurgimento das taxas de infecção, afirmou o Fundo Monetário Internacional em novo relatório para as principais economias do G20.

O relatório, divulgado antes das reuniões virtuais desta semana de autoridades financeiras e líderes do Grupo dos 20, ressaltou a natureza desigual da recuperação global e alertou que a crise provavelmente deixará cicatrizes profundas e desiguais.

Em uma postagem separada em blog, a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, elogiou o que chamou de progresso significativo no desenvolvimento de vacinas para eliminar um vírus que já ceifou mais de um milhão de vidas em todo o mundo e resultou em dezenas de milhões de empregos perdidos.

Mas ela advertiu que o caminho econômico à frente continua “difícil e sujeito a contratempos”.

O FMI projetou no mês passado uma contração global de 4,4% em 2020, com a economia global devendo se recuperar para um crescimento de 5,2% em 2021, mas disse que as perspectivas para muitos mercados emergentes pioraram.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Georgieva disse que os dados recebidos desde a previsão confirmaram uma recuperação contínua, com os Estados Unidos e outras economias avançadas relatando uma atividade econômica mais forte do que o esperado no terceiro trimestre.

Mas ela disse que dados mais recentes para setores de serviços com contato intenso apontam para um ritmo de desaceleração nas economias onde a pandemia está ressurgindo.

Embora os gastos fiscais de quase US$ 12 trilhões e as políticas monetárias tenham evitado resultados ainda piores, a pobreza e a desigualdade estão aumentando, e mais apoio é necessário, disse o FMI. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Compartilhe esta publicação: