Ibovespa fecha em alta com resultado positivo da Coronavac

O Ibovespa fechou em alta no último pregão antes da véspera de natal de 1,00% aos 117.806 pontos. Após a divulgação dos resultados positivos da Coronavac, vacina contra o coronavírus, pelo Governo de São Paulo e o Instituto Butantan. A possibilidade do uso emergencial do medicamento no Brasil refletiu no desempenho das ações.

No cenário doméstico, o Tesouro Nacional se tornou o foco ao afirmar na tarde de hoje (23) que o estoque da dívida pública ficará acima do patamar planejado para este ano de até R$ 4,9 trilhões, em meio às emissões vultuosas levadas a cabo diante da pandemia. Além disso, no mês de novembro, a dívida pública federal subiu 3,22%, durante o período dos desenquadramentos de títulos prefixados atrelados à Selic, que ficou definida na última ata do Comitê de Política Monetária (Copom) em 2% até o começo de 2021.

Os índices norte-americanos fecharam com ganhos, apesar de uma série de dados informarem que a recuperação econômica continua desigual, em meio a 18 milhões de casos de coronavírus, aumentando o número de hospitalizações nos Estados Unidos.

Os investidores norte-americanos aguardavam os índices, que saíram hoje, sobre os gastos pessoais – uma medida de quanto os consumidores gastam em bens e serviços – que caiu 0,4% em novembro e o dado da renda familiar – quanto os americanos ganham com salários, investimentos e programas de ajuda do governo – que caiu 1,1% no mês anterior, para compreender se os estadunidenses conseguiram superar a crise.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O mercado de ações em Wall Street se manteve em campo misto, já que os investidores apostam que as vacinas ajudarão a impulsionar a economia global e que o atual presidente Donald Trump (R), irá aprovar o pacote de subsídios de US$ 900 bilhões que destinava US$ 600 por pessoa em determinadas faixas de renda. O Dow Jones fechou em alta de 0,38%, o S&P 500 subiu 0,07% e o Nasdaq teve queda de 0,29%.

O dólar fechou em alta contra o real no dia de hoje, contabilizando a maior valorização semanal em três meses, com os investidores voltando a montar posições na moeda brasileira para proteger aplicações em outros mercados. Tal movimento fez o real decolar dos movimentos nos mercados de câmbio no exterior, que tinham o dólar em queda generalizada diante de esperanças de um acordo do Brexit e dados melhores nos Estados Unidos. O dólar 0,75% e é negociado a R$ 5,20.

As ações europeias avançaram e fecharam em alta, ressaltando a expectativa otimista dos investidores de acordo com uma possibilidade de acordo comercial entre a União Europeia e a Inglaterra, além do cancelamento da suspensão da França em bloquear o principal porto de viagens pessoais e comerciais ao Reino Unido.

Apesar da nova cepa confirmada pelo Reino Unido no último domingo (20), os índices europeus ficaram em alta. Hoje, O secretário de saúde britânico, Matt Hancock, informou que a nova mutação do vírus está diretamente ligada à África do Sul. O FTSE 100 teve alta de +0,66%, o DAX teve ganhos de 1,26%, o CAC 40 teve ganhos de 1,11%, o Stoxx 600 subiu 1,08%e o FTSE MIB ficou em alta de 1,31%. (Com Reuters)

Lembrando que, amanhã não haverá negociações nos mercados de renda variável, renda fixa privada e de derivativos listados, bem como no mercado de empréstimo de ativos na B3 e nos Estados Unidos haverá um pregão parcial.

DESTAQUES DO IBOVESPA

Maiores Altas

PRIO3: +10,81% a R$ 66,13
AZUL4: +6,89% R$ 37,70
GOLL4: +5,32% a R$ 24,54
USIM5: +4,65% a R$ 14,62
EMBR3: +4,14% a R$ 8,56

Maiores Baixas

BEEF3: -2,54% a R$ 10,37
SUZB3: -2,27% a R$ 56,37
KLBN11: -1,94% a R$ 25,27
RADL3: -1,69% a R$ 24,95
MRFG3: -1,67% a R$ 14,68

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).