Credores da Argentina criticam política econômica e alertam para atrasos em acordo com FMI

O país já recebeu cerca de US$ 44 bilhões que não pode pagar.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Glowimages/GettyImages
Glowimages/GettyImages

O país já recebeu cerca de US$ 44 bilhões que não pode pagar

Acessibilidade


Um grupo de grandes credores da Argentina criticou o país sul-americano por suas políticas econômicas “erráticas”, que afirmam estar afetando o crescimento e pesando nos preços dos títulos cinco meses após o governo reestruturar cerca de US$ 65 bilhões em dívida externa.

O grupo de detentores de títulos, envolvido na reestruturação que curou o nono ‘default’ soberano da Argentina, acrescentou que teme que as negociações com o Fundo Monetário Internacional sobre um novo acordo estejam “subordinadas à política”.

“Um programa do FMI é a única fonte provável de âncoras para a política econômica e uma estrutura de médio prazo confiável que pode trazer estabilidade”, disse o documento. “No entanto, o governo parece estar pensando seriamente em adiar um acordo com o FMI para ter a liberdade de continuar com suas políticas insustentáveis.”

A Argentina está atualmente em negociações sobre um novo programa do FMI para substituir uma linha de crédito fracassada de 2018, da qual o país já recebeu cerca de US$ 44 bilhões que não pode pagar. Esse acordo é visto como a chave para fortalecer a posição econômica do país.

O governo da Argentina não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. (Com Reuters)

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: