5 cuidados para não cair em golpes de doações online

Sopa Images/Getty Images
Sopa Images/Getty Images

Doações online tendem a crescer ainda mais em 2021, segundo projeções de especialistas

As doações online passaram a ser mais frequentes durante a crise da Covid-19 no Brasil. Neste período pandêmico, ONGs, empresas, associações e anônimos criaram meios de arrecadações para ajudar serviços, negócios, educação, além de pessoas necessitadas. Esta foi uma forma encontrada por quem quer fazer boas ações. 

Um levantamento de janeiro de 2021 da Stone, empresa de serviços financeiros, aponta que o Brasil teve um aumento significativo em ações solidárias no período de isolamento social por causa do novo coronavírus. Com as mudanças de hábito antes da quarentena em 2020, que teve início no meio de março na maior parte do país, além das alterações nas categorias mais consumidas, o estudo constatou crescimento de 192% nas doações online.

LEIA MAIS: Vendas no e-commerce devem alcançar R$ 110 bilhões em 2021, ATMs Bitcoin, ataques cibernéticos & Muito Mais

O aumento mostra a sensibilidade do brasileiro com a situação do próximo, num momento de crise humanitária e social. A tecnologia dos sites de vaquinha virtual facilita as doações e as tornam mais seguras, estimulando que ocorram num volume maior. Pessoas e instituições estão sendo beneficiadas e podem atravessar esse período com um pouco mais recursos. 

No entanto, é preciso conhecer bem o site e instituição que aquela vaquinha virtual está sendo ofertada. É o que explica Luiz Felipe Gheller, CEO e cofundador do Vakinha, empresa que teve um crescimento de 166% na plataforma em 2020, atingindo a marca de 3,2 milhões de doações. No ano anterior, foram registradas mais de 1 milhão.

“Temos feito um investimento cada vez maior em infraestrutura e TI (Tecnologia da Informação). Nossa plataforma consegue atender picos bastante altos sem perder performance, o que tem sido um diferencial muito importante. Além disso, aumentamos nosso time de atendimento e customer success para que possamos manter nossos usuários cada vez mais satisfeitos em usar o Vakinha”, diz Gheller. 

A empresa também trabalha com seriedade quando se fala em segurança de dados de seus consumidores. Para o CEO, trata-se de algo sensível e sério. Segundo ele, todas as transações são verificadas e contam com um prazo de 14 dias para contestação ou arrependimento do doador. 

As campanhas requisitadas no site também passam por uma análise quando começam a arrecadar para garantir que o dinheiro tenha o destino correto. Além disso, as senhas cadastradas na plataforma são criptografadas, evitando invasões e o risco de movimentações financeiras fraudulentas. A empresa também realiza testes rigorosos e periódicos contra possíveis hackeamentos, monitoramento efetuado por duas empresas parceiras diferentes, e não armazena dados sensíveis, como os de cartão de crédito, por exemplo.

Gheller ainda reforça que as campanhas costumam ser realizadas, em sua maioria, por e para pessoas anônimas e coletivos como ONGs. “Dentre as causas que mais chamam a atenção, podemos destacar os segmentos de educação, saúde e pet”, diz. 

LEIA MAIS: Empresas brasileiras continuam doando para mitigar os efeitos da Covid-19

Especialistas, entrevistados pela Forbes, revelaram como tomar os cuidados necessários na hora de doar ou criar uma vaquinha virtual. 

Para Cássio Rosas, head de marketing e estratégia da Wiboo, esse tipo de ação tem sido essencial para muitos projetos. “Porém, como toda oportunidade, com essa não é diferente, as fraudes acabam vindo junto.”

É o que reforça Laura Klaus, gerente de conteúdo e privacidade online da NordVPN, sobre o cuidado com o phishing – termo que designa a tentativa dos criminosos de “fisgar” informações das vítimas, principalmente para obter dinheiro delas.

Marcelo Chiavassa, professor de direito digital da Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas, segue a mesma linha de raciocínio e ressalta dicas para se proteger de fraudes na hora de participar de doações online. “Conhecimento, reputação e certificado de segurança.”

Veja, na galeria de fotos a seguir, 5 dicas dos especialistas para cuidados com doações virtuais:

  • Existência e credibilidade

    Verifique a entidade, projeto ou ONG. Quanto tempo existe? É idônea? Confiável? Lembre-se, a internet e o Google são excelentes aliados para isso. Procure a instituição da doação para saber se ela de fato existe. Procure os dados da instituição ou pessoa que será beneficiada.

    É importante, antes de eleger uma causa para doar, verificar se a instituição é conhecida, se tem boa reputação e, no caso das ONGs, por exemplo, se possuem certificado de segurança.

    A maioria das mensagens de phishing apelam para seus melhores gostos, medos, urgências e necessidades, tome cuidado!

    Reprodução
  • Processo

    Entenda os valores e o processo da doação. Não dê os dados do seu cartão de crédito para ninguém. Evite compartilhar informações.

    Lembre-se que o banco não solicita informações pessoais em formulário online e o governo não exige pagamento de tributos e impostos por links no seu e-mail.

    Reprodução
  • Verificação

    Verifique os links para doação. São seguros? (tem o bom e velho “cadeado” de site seguro?). Se for QR Code, verifique para onde (qual página) o código está direcionando. Caso seja através do novíssimo PIX, preste atenção nos dados antes de confirmar o envio. Pesquise sobre os mesmos. Se for um site onde peça seu cartão de crédito, verifique o site, se está com o domínio correto, se é seguro, se armazena ou não seus dados e os dados do seu cartão (prefira os que não armazenam). Olhe com atenção a URL para saber o que você está acessando.

    Quando se deparar com um link pedindo por doações, que já remete para a página da campanha ou de pagamento, desconfie. É recomendável que antes de doar, entre na plataforma que hospeda aquela campanha e procure pelo título dela. Esta é uma forma de assegurar que trata-se de uma vaquinha legítima. Preferencialmente, escolha campanhas que possibilitem o acompanhamento. As vaquinhas e doações online com maior credibilidade e segurança são aquelas que possibilitam que o doador acompanhe a história – a evolução da doação, contato direto com o criador da arrecadação e plataformas que permitem que o doador faça denúncia de vaquinhas falsas.

    Depois de verificar a credibilidade da plataforma online, pesquise sobre as campanhas anteriores por ela realizadas (se houve problemas, se tem reclamações, a quantidade de doações que já foram recebidas, etc.). Isso ajuda a dar maior confiança no momento da doação.

    Não baixe, nem instale absolutamente nada que esteja acompanhando estas mensagens. Atualizações de aplicativos importantes como apps de internet banking não são feitas por arquivos enviados em anexo, por exemplo. Elas são automáticas.

    Reprodução
  • Pesquisa

    Pesquise muito sobre tudo o que for relacionado à doação. A pessoa, a empresa, a ONG, a causa e os valores. Fique atento à prestação de contas do projeto. Cobre a transparência! Verifique no Reclame Aqui se tem notícias e/ou denúncias sobre aquele projeto. Se tiver, confirma se é alguma fraude. Se possível, veja com pessoas próximas a vocês se já conhecem o projeto, se já doaram e se tudo correu bem. Referências e recomendações podem ajudar no processo antifraude.

    As vaquinhas online geralmente apresentam a história e fotos que comprovem o motivo do pedido. Nesse sentido, é importante acionar um alerta quando estiverem diante de histórias genéricas, com poucas informações ou com pouco conteúdo.

    Reprodução
  • Experiência

    Quando a campanha aparece como sugestão em alguma rede social, ou alguém compartilha em um grupo fechado, além das verificações acima citadas, procure saber a procedência do pedido, se mais alguém do grupo doou sem problemas e se houve alguma queixa de conhecidos sobre possíveis fraudes.

    Getty Images

Existência e credibilidade

Verifique a entidade, projeto ou ONG. Quanto tempo existe? É idônea? Confiável? Lembre-se, a internet e o Google são excelentes aliados para isso. Procure a instituição da doação para saber se ela de fato existe. Procure os dados da instituição ou pessoa que será beneficiada.

É importante, antes de eleger uma causa para doar, verificar se a instituição é conhecida, se tem boa reputação e, no caso das ONGs, por exemplo, se possuem certificado de segurança.

A maioria das mensagens de phishing apelam para seus melhores gostos, medos, urgências e necessidades, tome cuidado!

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).