Infracommerce pede registro para IPO e mira aquisições

REUTERS/PauloWhitaker
REUTERS/PauloWhitaker

A companhia de soluções para comércio eletrônico teve receita líquida de R$ 236 milhões em 2020, alta de 71% sobre o ano anterior

A empresa de soluções para comércio eletrônico Infracommerce pediu ontem (1°) o registro para sua Oferta Pública Inicial (IPO, em inglês), ilustrando como o comércio digital tem sido um dos grandes expoentes do da corrida de empresas à bolsa no Brasil, impulsionadas pelos efeitos da pandemia.

A receita líquida da companhia foi de R$ 236 milhões em 2020, alta de 71% sobre o ano anterior e planeja usar os recursos da venda de ações novas para aquisições, investimentos em crescimento orgânico e para pesquisa e desenvolvimento, além de pagar dívidas.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Com sede em São Paulo, a empresa que tem entre os sócios os fundos de capital de risco Flybridge, e.Bricks e IGVentures, cria estrutura de comércio digital para empresas de vários tamanhos, inclusive gigantes como Ambev, Nike, Motorola e Unilever, que possui operações também no México, Colômbia, Chile e Argentina.

Apesar da crescente internacionalização, a Infracommerce afirma no prospecto de sua oferta que pretende se concentrar no Brasil, onde enxerga um dos mercados de e-commerce de maior crescimento do mundo. No fim de 2020, a companhia tinha cerca de mil funcionários. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).