Os 12 magnatas das criptomoedas em 2021

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

É uma corrida do ouro digital. O aumento no valor do bitcoin e de outras criptomoedas colocou nove novos cripto bilionários na lista da Forbes

Que diferença um ano faz, especialmente para os fanáticos por criptomoedas. Quando a economia dos EUA afundou em março de 2020, os investidores em pânico trocaram ações e ativos de risco por dinheiro e títulos do tesouro. O preço do bitcoin caiu 50% em um dia e outras criptomoedas acompanharam a queda, enquanto o mundo se preparava para o desconhecido.

Doze meses depois, as perspectivas para os ativos digitais nunca pareceram mais brilhantes. O bitcoin saltou com vara até 2021, com preços ultrapassando brevemente US$ 60 mil por moeda em março. Outros tokens obtiveram ganhos semelhantes, elevando a capitalização de mercado total das criptomoedas para mais de US$ 1,5 trilhão.

As 10 maiores captações de risco em criptomoedas e blockchain

Agora, grandes instituições estão aderindo ao movimento. Empresas como a Square e a Tesla estão adicionando o bitcoin em seus balanços. Firmas financeiras tradicionais, como o BNY Mellon, o banco mais antigo dos EUA, estão construindo produtos em criptos. Até o Federal Reserve está se envolvendo no assunto, explorando a possibilidade de um dólar digital.

À medida que o mercado de criptomoedas cresce, o mesmo acontece no clube de três dígitos da indústria: 12 superricos das criptos entraram para a lista de Bilionários do Mundo 2021 da Forbes, ante quatro no ano passado. A composição do grupo – investidores, construtores e emissores – reflete como esse ecossistema está evoluindo e quem está sendo recompensado.

O cálculo é baseado no patrimônio líquido em 5 de março de 2021 e os bilionários das criptos foram divididos em três grupos:

Os primeiros investidores (1 ao 4)

– Comprar bitcoin cedo e com frequência fez muitos milionários. Aqueles que investiram mais tornaram-se bilionários.

Os construtores de infraestrutura (5 ao 9)

– A demanda por empresas que facilitem as transações em moeda virtual transformou alguns fundadores em bilionários.

Os emissores de moedas (10 e 11)

– Embora a fortuna do criador anônimo do bitcoin seja desconhecida, outros fundadores de criptomoedas não têm sido tão discretos, com grande parte de sua riqueza registrada publicamente em blockchains.

  • 1. Cameron Winklevoss e Tyler Winklevoss

    Patrimônio líquido: US$ 3 bilhões cada
    Novo na lista da Forbes

    Os irmãos gêmeos e ex-remadores olímpicos que processaram o Facebook transformaram o acordo de US$ 65 milhões em fortunas pessoais de US$ 3 bilhões cada. Os irmãos começaram a comprar bitcoin em 2012. Eles também lançaram a exchange (corretora) de criptomoedas Gemini e compraram a plataforma de leilão de arte digital Nifty Gateway.

    Reprodução/Forbes
  • 2. Michael Saylor

    Patrimônio líquido: US$ 2,3 bilhões
    Novo na lista da Forbes

    O CEO da empresa de software MicroStrategy fez, e perdeu, uma fortuna durante o primeiro estouro das PontoCom. Saylor agora vale US$ 2,3 bilhões após abocanhar o bitcoin antes do boom nos preços – o que aumentou tanto suas ações pessoais, quanto as da sua empresa.

    MichaelKovac/GettyImages
  • 3. Matthew Roszak

    Patrimônio líquido: US$ 1,5 bilhão
    Novo na lista da Forbes

    O cripto evangelista de longa data descobriu o bitcoin em 2011. Seus primeiros investimentos em criptomoedas estão atualmente avaliados em US$ 1,5 bilhão. Roszak agora é o presidente da Bloq, empresa de infraestrutura em blockchain, além de ser investidor em startups de criptomoedas em estágio inicial.

    RoyRochlin/GettyImages
  • 4. Tim Draper

    Patrimônio líquido: US$ 1,5 bilhão
    Novo na lista da Forbes

    Em 2014, o empreendedor de risco do Vale do Silício Tim Draper comprou US$ 18,7 milhões em bitcoins, que depois foram confiscados pela agência do Departamento de Justiça dos EUA, a US Marshals, no mercado ilegal da Silk Road, atualmente fechado. Essas moedas agora valem US$ 1,5 bilhão.

    NurPhoto/GettyImages
  • 5. Sam Bankman-Fried

    Patrimônio líquido: US$ 8,7 bilhões
    Novo na lista da Forbes
    Bankman-Fried é o bilionário mais rico das criptomoedas. O graduado do MIT de 29 anos fundou a firma de trading quantitativo Alameda Research e a popular corretora de derivativos FTX. Ele ganhou manchetes em 2020 com sua doação de US$ 5 milhões para um super fundo de apoio à campanha presidencial de Joe Biden.

    Reprodução
  • 6. Brian Armstrong

    Patrimônio líquido: US$ 6,5 bilhões
    Último ano: US$ 1 bilhão

    A fortuna do CEO e cofundador da Coinbase mais do que sextuplicou no último ano, em meio ao boom de investimentos em criptomoedas. A Coinbase se estabeleceu como a corretora cripto dominante dos EUA, gerando mais de US$ 1 bilhão em receitas no ano passado. A empresa recentemente entrou com um pedido de abertura de capital.

    Reprodução/Forbes
  • 7. Fred Ehrsam

    Patrimônio líquido: US$ 1,9 bilhão
    Novo na lista da Forbes

    Ehrsam foi cofundador da Coinbase com Armstrong em 2012. Ele deixou a empresa em 2017, mas continua como membro do conselho e sua participação de 6% vale cerca de US$ 1,9 bilhão. Hoje, Ehrsam lidera a firma de investimentos focada em criptomoedas Paradigm.

    Reprodução/Forbes
  • 8. Changpeng Zhao

    Patrimônio líquido: US$ 1,9 bilhão
    Voltou à lista

    O fundador da corretora cripto Binance voltou ao clube dos superricos. O aumento global nos investimentos em criptomoedas impulsionou a avaliação da Binance. Zhao possui uma participação estimada de 30% na empresa.

    Divulgacao/Binance
  • 9. Barry Silbert

    Patrimônio líquido: US$ 1,6 bilhão
    Novo na lista da Forbes

    A fortuna de Silbert está ligada ao Digital Currency Group (DCG), conglomerado de criptomoedas fundado por ele em 2015. Entre as participações do DCG estão o site de notícias de criptomoedas CoinDesk e a empresa de gestão de ativos Grayscale, que controla US$ 44 bilhões em bitcoin, ether e outros ativos.

    CNBC/GettyImages
  • 10. Chris Larsen

    Patrimônio líquido: US$ 3,4 bilhões
    Último ano: US$ 2,6 bilhões

    O cofundador e presidente do Ripple aumentou sua fortuna em US$ 800 milhões, acompanhando a disparada nos preços do token da sua empresa, o XRP. Ele detém mais de 3 bilhões de XRPs e uma participação de 17% no Ripple Labs.

    Reprodução/Forbes
  • 12. Jared McCaleb

    Patrimônio líquido: US$ 2 bilhões
    Novo na lista da Forbes

    McCaleb, outro cofundador do Ripple, obtém a maior parte de sua riqueza da posse de 3,4 bilhões de XRPs. Ele também possui cerca de 1 bilhão de stellar lumens, criptomoeda que ele fundou em 2014 após uma briga com seus colegas do Ripple.

    Reprodução/Forbes

1. Cameron Winklevoss e Tyler Winklevoss

Patrimônio líquido: US$ 3 bilhões cada
Novo na lista da Forbes

Os irmãos gêmeos e ex-remadores olímpicos que processaram o Facebook transformaram o acordo de US$ 65 milhões em fortunas pessoais de US$ 3 bilhões cada. Os irmãos começaram a comprar bitcoin em 2012. Eles também lançaram a exchange (corretora) de criptomoedas Gemini e compraram a plataforma de leilão de arte digital Nifty Gateway.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).