Ibovespa tem leve queda com commodities; salto de 16% na BRF limita perdas

O dólar fechou o dia no maior patamar em mais de duas semanas, avançando 1,44% a R$ 5,3527 na venda.

Ana Paula Pereira
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou em leve queda a sessão desta sexta-feira (21), perdendo 0,09% aos 122.592 pontos, acompanhando mais um dia de correção nos preços do minério de ferro, movimento que pressiona as ações da Vale e das empresas siderúrgicas. O recuo no índice brasileiro foi limitado pelo salto expressivo nos papéis da BRF. A volatilidade na sessão teve ainda como pano de fundo o vencimento de opções sobre ações na B3. Na semana, o Ibovespa acumulou alta de 0,58%.

As ações da BRF entraram em leilão na tarde de hoje após avançarem mais 10% na B3, seguindo notícias de que a Marfrig está comprando ações da BRF, maior exportadora global de carne de frango. O objetivo da Marfrig com as compras, segundo fontes ouvidas pela agência Reuters, é alcançar uma participação de 20% no capital da empresa rival. As ações da BRF (BRFS3) subiram 16,28% na sessão, enquanto os papéis da Marfrig (MRFG3) registraram queda de 5,20%.

Ainda entre os destaques corporativos, a Petrobras informou na noite de ontem que uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) – determinando que o valor do ICMS a ser excluído da base de cálculo do PIS-Cofins é o destacado em nota fiscal – irá gerar um impacto positivo de R$ 4,4 bilhões no balanço do segundo trimestre da companhia.

Também hoje, o governo reduziu sua estimativa de déficit fiscal para 2021 e anunciou ter espaço para desbloquear R$ 4,8 bilhões em despesas orçamentárias. A estimativa para o déficit primário do governo central em 2021 caiu para R$ 187,7 bilhões, o mesmo que 2,2% do PIB, ante R$ 286 bilhões (3,5% do PIB) calculados anteriormente, mostrou o Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do segundo bimestre.

A reestimativa foi resultado de uma melhoria da receita, “impulsionada pela retomada do crescimento”, disse o Ministério da Economia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O dólar fechou o dia no maior patamar em mais de duas semanas, avançando 1,44% a R$ 5,3527 na venda, com investidores repercutindo a força da moeda norte-americana no exterior, mas também acompanhando movimentações políticas locais para a eleição de 2022.

No exterior, os índices terminaram o dia em campo misto. Os papéis de tecnologia foram pressionados por notícias que a China irá reprimir atividades de mineração e a negociação de bitcoins a fim de evitar riscos financeiros. Do lado altista, o mercado digeriu os dados acima das expectativas no PMI (índices de gerentes de compras) norte-americano. A leitura industrial marcou 61,5 e o de serviços ficou em 70,1. O PMI composto foi de 68,1.

Os dados reforçam a percepção de uma forte reabertura na economia norte-americana, cenário que pode impulsionar ainda mais a inflação no país e pressionar o Federal Reserve a reduzir a oferta de liquidez no mercado antes do esperado.

A crença de que o Fed poderá diminuir seu apoio à economia ganhou adeptos depois da divulgação da ata da reunião da autoridade monetária em abril. “Agora, há sinais de que o Fed se prepara para sinalizar algum ajuste em sua política monetária”, disse Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos. “Não resta dúvida de que estamos caminhando para um novo estágio do ciclo econômico, onde o crescimento ainda mostra sinais de recuperação, mas a inflação começa a amedrontar”, completou.

No fechamento, o S&P 500 teve queda de 0,08% aos 4.155 pontos, o Nasdaq recuou 0,48% aos 13.470 pontos e o Dow Jones terminou em alta de 0,36% aos 34.207 pontos. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: