Uma cripto revolução acontece na Argentina

Criptomoedas são vistas como saída frente à crise econômica e desvalorização do peso .

Agustino Fontevecchia
Compartilhe esta publicação:
Joaquin Temes/Reprodução
Joaquin Temes/Reprodução

A Argentina ficou em 21º lugar no mundo em ganhos com bitcoins em 2020, movimentando cerca de US$ 200 milhões

Acessibilidade


Um novo relatório indica que a Argentina ficou em 21º lugar no mundo em ganhos realizados com bitcoins no ano passado, movimentando cerca de US$ 200 milhões. E enquanto as lideranças políticas do país duelavam em torno dos subsídios de energia em um ano eleitoral, as medidas ajudaram a alimentar um boom na criptomineração em função dos baixos custos de eletricidade residencial.

Apesar da extrema volatilidade no mercado de criptomoedas – que viu o preço do bitcoin subir 550% e ir acima de US$ 60 mil em poucos meses, para depois recuar aos US$ 35 mil em apenas 13 dias – há uma grande efervescência no setor e a economia da Argentina tem se mostrado um terreno fértil para a popularização das criptos.

LEIA MAIS: Brasil terá problema “seríssimo” no Mercosul por impasse com Argentina, afirma ministro

Presos em uma desaceleração econômica que já dura décadas, com suas constantes rajadas de estagflação, diferentes governos no país têm apelado aos congelamentos de preços e às políticas monetárias para tentar conter a inflação. No entanto, a perda do poder de compra continua constante, levando muitos argentinos a buscar um caminho para o dólar norte-americano mediante o pagamento de um prêmio enorme pelo chamado “dólar azul”.

De acordo com um relatório do jornal “El Economista”, os argentinos detêm cerca de US$ 130 bilhões no sistema financeiro – representando aproximadamente 8% do estoque de dólares no mundo – e outros US$ 175 bilhões “embaixo do colchão”, como gostamos de dizer. As criptomoedas já estão sendo usadas para converter pesos em dólares, contornando as restrições do governo por meio de transações peer-to-peer a taxas de câmbio mais competitivas do que o dólar azul mencionado anteriormente. Essas transações subiram de US$ 200.000 no final de 2019 para US$ 600.000 no ano passado, de acordo com dados da ChainAnalysis.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Bitfarms é uma empresa de mineração de bitcoin de capital aberto que anunciou o aumento em suas operações na Argentina de 60 megawatts para 210 megawatts, “o suficiente para sustentar aproximadamente 55 mil mineradores de nova geração, o que poderia gerar aproximadamente US$ 650 milhões em receita”. No mesmo comunicado, a Bitfarms disse que o custo de mineração de um bitcoin em Quebec, no Canadá – onde eles têm operações – ficou em US$ 7.500 no quarto trimestre de 2020, em comparação com uma estimativa de US$ 4.125 na Argentina.

A eletricidade representa cerca de 75% dos custos de mineração, o que ajuda a explicar a matemática por trás do pagamento da energia subsidiada em pesos, que levará à comercialização de bitcoins e ether – a segunda maior criptomoeda por capitalização de mercado – a um prêmio superior à taxa de câmbio oficial do dólar. A Argentina já tem mais de 20 fazendas de criptomoedas, com muitos mineradores aproveitando o clima frio da Patagônia para reduzir os custos de resfriamento.

Como a maioria das coisas no mundo das criptos, a última moda tem sido os NFTs (Tokens Não-Fungíveis). O mercado cresceu explosivamente e, é claro, também quebrou rapidamente. Esses NFTs são vinculados a peças de conteúdo digital, como destaques esportivos ou arte digital, e depois vendidos. A comunidade criativa da Argentina, com boa fama e baixo custo, tem uma grande oportunidade no mundo crescente dos NFTs. No campo esportivo, a AFA (Associação Argentina de Futebol) anunciou uma parceria que tornará a seleção nacional a primeira a lançar seu próprio token, juntando-se a uma série de clubes que já possuem tokens, incluindo o River Plate, o Racing Club e o Rosario Central.

Todo esse contexto parece ter florescido por uma série de razões. Além da tendência à crise e à desvalorização da moeda, que inerentemente faz todo argentino querer buscar soluções, a promessa de lucro futuro estimulou a comunidade cripto global a entrar em ação. Quer a tecnologia construa o futuro do dinheiro, ou quer a sua pegada de carbono nos destrua, o incentivo para se envolver com projetos de criptomoeda anda de mãos dadas com o potencial de retorno. Um dos principais benefícios locais é o fato de que ainda não há regulação na Argentina para as criptomoedas.

Mas isso não deve durar, uma vez que o Banco Central já iniciou investigações em fintechs que oferecem o pagamento de juros pelos criptoativos depositados. A Comissão de Valores Mobiliários local também juntou-se ao Banco Central do país para alertar aos investidores sobre os riscos dos investimentos em criptomoedas.

Há muita coisa acontecendo no mundo das criptomoedas na Argentina e, até agora, o país conseguiu passar razoavelmente despercebido. O bitcoin e os demais criptoativos não são apenas um instrumento de especulação financeira, mas criaram consigo criatividade e inovação. A Argentina tem, mais uma vez, uma oportunidade muito grande de estar na vanguarda. Com sorte, a classe política não perceberá tão cedo.

Este artigo foi publicado originalmente no Buenos Aires Times, o único jornal em língua inglesa da Argentina, e reproduzido por seu autor na Forbes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: