Diferença entre ganhos de CEOs e funcionários aumentou nos EUA durante a pandemia

Blackred/ Getty Images
Blackred/ Getty Images

Segundo pesquisa da Equilar, o salário dos executivos aumentou 14,1% em 2020 em relação a 2019

Mesmo com a pandemia de coronavírus forçando cortes salariais e dispensas nos Estados Unidos, uma nova pesquisa da Equilar, realizada a pedido do The New York Times, descobriu que os salários dos CEOs nas empresas de capital aberto continuaram a subir em 2020 na comparação com os pagamentos destinados aos colaboradores nessas organizações.

Das 200 empresas com os maiores pacotes de remuneração aos CEOs incluídos na pesquisa, 68% tinham diferenças maiores entre a remuneração do líder e a do empregado no ano de 2020 do que antes da pandemia.

VEJA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

O salário de CEOs aumentou 14,1% em 2020 em relação a 2019, de acordo com o New York Times, enquanto o salário médio dos empregados aumentou 1,9% durante o mesmo período.

O New York Times atribui o salto na remuneração de executivos às estruturas corporativas de “pagamento por desempenho”, que recompensam os CEOs quando as ações de uma empresa sobem (o S&P 500 disparou 16,3% em 2020), bem como prêmios de ações generosos e concessões que CEOs podem receber, mesmo que sua empresa não tenha um bom desempenho no mercado público.

O CEO mais bem pago na pesquisa do New York Times foi Alexander Karp, da empresa de dados Palantir, que levou para casa US$ 1,1 bilhão no ano passado.

Tony Xu, da Doordash, ficou em segundo lugar, com US$ 414 milhões em remuneração e Eric Wu, da OpenDoor, ficou em terceiro lugar com US$ 370 milhões em remuneração.

Das 13 CEOs mulheres da lista, a mais bem paga foi a Dra. Lisa Su, da fabricante de chips Advanced Micro Devices, que recebeu US$ 40 milhões em 2020.

Oito executivos na lista de 200 do New York Times ganharam mais de US$ 100 milhões em 2020, em comparação com apenas um em 2019.

Recentemente, parlamentares democratas apresentaram uma legislação para impor penalidades fiscais a grandes corporações que pagam aos seus principais executivos pelo menos 50 vezes o salário médio dos funcionários.

Nos EUA, muitas empresas estão aumentando os salários para atender a um enorme aumento na demanda por trabalhadores, à medida que a economia reabre. De acordo com dados divulgados na semana passada pelo Departamento de Trabalho, a remuneração média por hora dos empregados privados não-agrícolas aumentou US$ 0,21 entre março e abril e US$ 0,15 entre abril e maio. “Os dados dos últimos dois meses sugerem que a crescente demanda por mão de obra associada à recuperação da pandemia pode ter pressionado os salários para cima”, diz o relatório do Departamento do Trabalho, mas também observando que os ganhos variam amplamente entre os setores.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).