Inflação ao produtor desacelera em maio no Brasil com queda do dólar

REUTERS/Marcelo Teixeira
REUTERS/Marcelo Teixeira

O IPP avançou para 1% em maio, de 2,19% em abril, e acumula avanço de 35,86% em 12 meses

O IPP (Índice de Preços ao Produtor) do Brasil desacelerou a alta para 1% em maio, de 2,19% em abril, registrando a menor variação do ano diante da desvalorização do dólar. O indicador acumula assim avanço de 35,86% em 12 meses, conforme os dados divulgados hoje (29) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Segundo o gerente do IPP, Manuel Souza Neto, a desvalorização do dólar em maio foi um dos motivos da desaceleração dos preços ao produtor. Naquele mês, a moeda norte-americana teve queda de 3,795% ante o real. “Com isso, uma série de produtos cotados em dólar caíram de preço”, explicou.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

De acordo com o IBGE, entre as grandes categorias econômicas bens de capital tiveram queda de 0,36%, bens intermediários subiram 0,88% e bens de consumo avançaram 1,48%. Dentre as atividades que tiveram variação positiva, a maior influência sobre o índice foi exercida por alimentos, que representou 0,35 ponto percentual do total com uma alta de preços de 1,48%.

Souza Neto explicou que o resultado em alimentos tem influência dos preços no mercado externo e da estiagem que ocorreu no Brasil, que afetou a produção do leite. O IPP mede a variação dos preços de produtos na ‘porta da fábrica’, sem impostos e frete, de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).