O Anonymous realmente ameaçou Elon Musk por seus tuítes virais sobre o bitcoin?

Vídeo publicado ontem (5) no YouTube ataca o bilionário por ser “mais um rico narcisista que está desesperado para atenção”

Davey Winder
Compartilhe esta publicação:
FilmMagic/Getty Images
FilmMagic/Getty Images

O empresário Elon Musk foi alvo de um potencial vídeo do grupo Anonymous

Acessibilidade


Um vídeo ameaçador contra Elon Musk, publicado ontem (5), alcançou mais de um milhão de visualizações em 24 horas. “Essa é uma mensagem do Anonymous para Elon Musk”, é assim que o vídeo de três minutos e 47 segundos começa, rapidamente atacando o empresário por ser “mais um rico narcisista que está desesperado para atenção”.

O principal argumento retórico do vídeo, além de uma série de declarações difamatórias que não podem ser mencionadas por aqui, foi aparentemente retirado de diversas notícias publicadas nos últimos anos, alertando Musk sobre suas postagens virais no Twitter sobre o bitcoin.

VEJA TAMBÉM: Elon Musk versus bitcoin

“Parece que os jogos que você tem feito com os mercados de criptomoedas tem destruído vidas”, diz o vídeo, adicionando tuítes de Musk que mostram um “claro desprezo pelo trabalhador comum”.

Reivindicando que as pessoas trabalhadoras viram seus “sonhos liquidados” por “birras públicas e temperamentais” de Musk, o alerta termina ameaçadoramente: “Você pode achar que é a pessoa mais esperta, mas agora você conheceu alguém do seu nível. Nós somos Anonymous. Somos uma legião. Nos aguarde.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O VERDADEIRO ANONYMOUS VAI APARECER?

No entanto, há algo para se destacar: a conta mais popular do Anonymous no Twitter, YourAnonNews, com 6,7 milhões de seguidores, negou participação por trás do vídeo. Quando perguntado se poderia confirmar que o vídeo foi publicado pelo coletivo, o perfil respondeu em um tuíte com “novamente, desejamos tudo do melhor – mas não”.

A conta BscAnon, também do Anonymous, diz que se opõe à “malevolência que é abundante no universo das criptomoedas” e também negou qualquer envolvimento no caso. O perfil tuitou “Esse Não é o Nosso Vídeo para Elon Musk, só para registrar”.

Enquanto isso, a YourAnonCentral, uma conta com 5,9 milhões de seguidores que aparentemente reivindica alguma afiliação com o grupo, afirmou que o vídeo foi feito pelo Anonymous. Em uma publicação em seu blog ontem (5), YourAnonCentral diz: “O grupo Anonymous divulgou um vídeo desafiando o infâme bilionário Elon Musk, após ele ter destruído as ações de bitcoin. O Anonymous não perde tempo em expor o controverso bilionário”.

De volta ao vídeo, a página que o publicou no YouTube possui 152 mil inscritos e foi criada no dia 24 de dezembro de 2015. Até então, possui apenas três vídeos publicados, incluindo esse contra Elon Musk. O perfil oficial do Anonymous, no entanto, está ativo na plataforma de vídeos desde o dia 24 de janeiro de 2012 e, com mais de 3,51 milhões de inscritos, não publicou o vídeo e nem divulgou nenhum link para ele.

A NATUREZA DE SER DO ANONYMOUS

Como dito anteriormente, atribuir qualquer coisa a um coletivo como o Anonymous é complicado. A natureza descentralizada do grupo é tamanha que qualquer um pode reivindicar ser parte dele, simplesmente por realizar ações como publicar um vídeo.

Isso não significa que o Anonymous não exista mais em qualquer sentido real. Quando escrevi sobre uma ameaça de exposição do ex-presidente norte-americano Donald Trump, aproximadamente há um ano, citei a autora de um livro sobre o coletivo e também professora da Universidade McGill, Gabriella Coleman, que contou à agência de notícias Reuters que ela foi informada de que membros-chave do Anonymous original estavam envolvidos na ressurreição de 2020.

Se esse é o caso agora em 2021, ainda não está claro. O que é muito claro, porém, é de que Elon Musk não vai perder o sono por conta desse alerta. Embora o bilionário não tenha falado diretamente do vídeo, ele tuitou “não matem o que vocês odeiam. Salvem o que vocês amam.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: