Meta de inflação mais alta nos EUA pode desencadear "boom" de empregos

Ex-funcionários argumentam que o banco pode elevar a meta da inflação de 2% para 3% depois que a pandemia passar.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Tetra Images
Tetra Images

Ex-funcionários argumentam que o banco pode elevar a meta da inflação de 2% para 3% depois que a pandemia passar

Acessibilidade


O Fed (Federal Reserve) pode estar lutando com um problema de inflação, mas dois ex-funcionários do banco central dos Estados Unidos argumentam que preços mais altos contínuos no futuro podem ser o necessário para direcionar toda a economia a um patamar mais elevado e gerar um “boom” de empregos que ajude uma grande parcela de pessoas.

David Wilcox, ex-diretor de pesquisa do Fed, e David Reifschneider, assessor especial da ex-chair do Fed, argumentam em uma nova pesquisa que assim que a pandemia de coronavírus passar e a autarquia for capaz de aumentar os juros para níveis mais normais, o banco deve elevar a meta de inflação nacional de 2% para 3% e utilizar um tratamento de choque de cortes surpresa na taxa de juros para atingi-lá.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“A taxa de desemprego pode ser em média 0,75 ponto percentual ou mais abaixo de seu nível sustentável durante os primeiros 15 anos após o anúncio da meta mais alta”, representando mais cerca de 1,2 milhão de pessoas ou mais empregadas a cada ano, estimam ambos os economistas, agora no Instituto Peterson para Economia Internacional.

“Na medida em que as pessoas atraídas para o mercado de trabalho quando ele está mais apertado vêm de grupos marginalizados”, escreveram eles, permitir uma inflação mais alta “também pode ajudar a reduzir as desigualdades raciais e outras”, mantendo as pessoas empregadas por mais tempo e permitindo-lhes obter mais experiência e formação.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os riscos – de bolhas financeiras devido ao crédito fácil ou de uma possível recessão desencadeada por aumentos dos juros para combater a alta da inflação – são administráveis, afirmam os dois, e vale o que eles dizem ser “um ‘boom’ acentuado no emprego e na produção durante o período de transição”.

O núcleo do índice PCE, medida da inflação monitorada de perto pelo Fed, atingiu 3,5% em junho na comparação anual, o que desencadeou um debate no banco central norte-americano sobre se seriam necessários aumentos dos juros mais cedo do que o esperado para manter os preços sob controle. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: