Não mudamos forma de atuar no câmbio, diz diretora do BC

Segundo a diretora, motivos estritamente ligados ao país afetam essa dinâmica.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Notas de reais e dólares

Acessibilidade


A diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos​ do Banco Central, Fernanda Guardado, disse hoje (11) que o BC não mudou sua forma de atuar no câmbio e que continuará agindo quando vir disfuncionalidade no mercado.

Ao participar da conferência Itaú Macro Vision, organizada pelo Itaú Unibanco, ela afirmou que a quebra da correlação entre câmbio e termos de troca não ocorreu somente no Brasil, embora tenha sido mais forte por aqui, com depreciação “bastante acentuada” do real em 2020.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Segundo a diretora, motivos estritamente ligados ao país afetam essa dinâmica, mas o fato de o fenômeno ocorrer em outros lugares do mundo também leva o BC acreditar que há alguma história global que ajuda a explicar essa quebra.

Ela citou que algumas hipóteses já levantadas são de deterioração fiscal por ações tomadas na pandemia, além de queda na taxa de juros de emergentes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“São várias [hipóteses], não saberia escolher uma única para entender o que está acontecendo”, afirmou Guardado. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: