Demanda por gasolina no Brasil ficará aquém de níveis pré-pandêmicos no 1º tri

Cenário ocorre por conta de um crescimento econômico mais lento no país e preços relativamente firmes para o combustível.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
REUTERS_Ricardo Moraes
REUTERS_Ricardo Moraes

Aumento constante nos preços do combustível afetou a demanda

Acessibilidade


A demanda por gasolina no Brasil nos próximos três meses não deve alcançar os níveis pré-pandêmicos de 2019, diante de um crescimento econômico mais lento e preços relativamente firmes, apontou hoje (6) um relatório da S&P Global Platts Analytics.

No primeiro trimestre deste ano, a demanda média do combustível C (já misturado com etanol, como é vendido nos postos) deverá ser 5 mil barris por dia menor do que no mesmo período de 2019, apontou a Platts Analytics.

LEIA TAMBÉM:  6 tendências de marketing de influência para 2022

A situação é parecida em toda a América Latina. De acordo com o documento, a demanda por gasolina em toda a região é projetada em 100 mil barris por dia a menos no primeiro trimestre de 2022 na comparação com 2019.

“Um fator-chave para a recuperação da demanda de combustíveis é o mercado de trabalho na América Latina. O emprego na região está 5% abaixo dos níveis pré-pandêmicos”, afirma Lenny Rodriguez, gerente de análise de preços de petróleo e perspectivas regionais da S&P Global.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para a demanda geral de gasolina/etanol do Brasil em 2021, a Platts Analytics prevê uma contração de 45 mil barris a menos em comparação com 2019.

Já no caso do diesel, a Platts Analytics prevê que a demanda média total no Brasil em 2021 deve ser de 85 mil barris por dia a mais do que em 2019.

Para 2022, a Platts Analytics projeta o crescimento da demanda brasileira em 95 mil barris por dia na comparação com 2019, “porém riscos como alta taxa de desemprego, inflação persistente e menor crescimento do PIB podem afetar as projeções”.

Compartilhe esta publicação: