Inflação do Reino Unido vai a máxima em quase 30 anos e eleva pressão sobre banco central britânico

A taxa anual de inflação dos preços ao consumidor acelerou para 5,4%, seu maior patamar desde março de 1992.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Aron Van de Pol/Unsplash
Aron Van de Pol/Unsplash

Com alta na inflação, expectativa é que o banco central do Reino Unido aumente sua principal taxa de juros em fevereiro

Acessibilidade


A inflação britânica subiu mais rapidamente do que o esperado em dezembro, para um pico em quase 30 anos, intensificando uma piora nos padrões de vida e pressionando o banco central a elevar os juros novamente.

A taxa anual de inflação dos preços ao consumidor acelerou para 5,4%, ante 5,1% em novembro, seu maior patamar desde março de 1992, informou o Escritório de Estatísticas Nacionais do Reino Unido. Economistas consultados pela Reuters esperavam avanço de 5,2%.

LEIA TAMBÉM: Economia do Reino Unido supera nível pré-pandemia em novembro

Os mercados financeiros precificam agora mais de 90% de chance de o Banco da Inglaterra aumentar sua principal taxa de juros para 0,5% em 3 de fevereiro.

“O Banco da Inglaterra já estava se sentindo desconfortável com sua postura de política monetária. As surpresas de hoje para as leituras principal e do núcleo da inflação certamente não ajudaram”, disse Ambrose Crofton, estrategista de mercados globais do JP Morgan Asset Management.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os rendimentos dos títulos do governo britânico de dois anos, que são sensíveis às expectativas para as taxas de juros dos mercados financeiros, chegaram perto do nível mais alto desde 2011.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Compartilhe esta publicação: