Aumento da inflação na zona do euro intensifica dilema de política monetária do BCE

O aumento dos preços atingiu máximas de várias décadas na Itália, França, Alemanha e Espanha em março.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Fabian Bimmer/Reuters
Fabian Bimmer/Reuters

Bomba de combustível em Dillenburg, Alemanha

Acessibilidade


A inflação continuou a subir nas maiores economias da Europa neste mês, ao mesmo tempo em que o crescimento foi atingido, deixando as famílias mais pobres conforme pagam a conta pelos custos de energia crescentes após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O aumento dos preços atingiu máximas de várias décadas na Itália, França, Alemanha e Espanha em março, intensificando um dilema de política monetária para o Banco Central Europeu, que precisa combater a alta dos preços mas também deve evitar sufocar o crescimento já em declínio.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A inflação na Itália atingiu 7%, enquanto os preços na França subiram 5,1%, impulsionados pela elevação do combustível e do gás natural, que normalmente afetam mais as famílias mais pobres do que outras.

Os dados, juntamente com as leituras altíssimas da Alemanha e da Espanha no dia anterior, sugerem que a inflação da zona do euro a ser divulgada na sexta-feira ficará bem acima de 7%, superando as expectativas e bem acima da meta de 2% do BCE.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Embora a maior parte do aumento se deva aos preços da energia, o mercado de trabalho da Europa também é o mais apertado em décadas, sugerindo que as pressões subjacentes sobre os preços também estão começando a aumentar e que os salários seguirão mais cedo ou mais tarde.

O desemprego na zona do euro caiu para um recorde de baixa de 6,8% em fevereiro, mostraram dados separados nesta quinta-feira, e uma nova queda é projetada pelo BCE.

“Dado que o aumento da inflação é quase exclusivamente impulsionado pelo lado da oferta, quanto maior a inflação, mais fraco será o crescimento econômico”, disseram analistas do ABN Amro em nota aos clientes.

“De fato, o crescimento econômico provavelmente decepcionará as projeções do BCE”, acrescentaram. “O BCE provavelmente equilibrará essas forças apertando modestamente a política monetária.”

Compartilhe esta publicação: