Recessão nos EUA é improvável apesar de alarme no mercado de títulos, dizem PIMCO e Amundi

A riqueza das famílias norte-americanas subiu para um recorde de US$ 150,3 trilhões.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Karolina Grabowska/Pexels
Karolina Grabowska/Pexels

Apesar de inflação e alerta nos mercados de títulos, os EUA não devem enfrentar uma recessão 

Acessibilidade


É improvável que os Estados Unidos enfrentem uma recessão econômica nos próximos dois anos, apesar de sinais de alerta nos mercados de títulos, inflação no nível mais alto em décadas e crescentes riscos geopolíticos, disseram gerentes de portfólio de PIMCO e Amundi.

Uma parte importante da curva de juros dos Treasuries se inverteu brevemente na terça-feira (29), sinal de que investidores estavam preocupados com a possibilidade de aumentos agressivos dos juros por parte do banco central dos EUA levarem a economia à recessão.

LEIA TAMBÉM: Wall Street caminha para pior trimestre desde 2020

“Vemos uma baixa probabilidade de recessão neste ano ou no próximo. Nossos modelos mostram que o risco é um pouco maior do que a média histórica, mas não em um nível preocupante”, disse Erin Browne, gerente de portfólio de ativos múltiplos da gigante de títulos PIMCO, ao Reuters Global Markets Forum ontem (30).

A visão de Browne foi reiterada por Ken Monaghan, codiretor de alto rendimento do braço norte-americano da maior gestora de ativos da Europa, Amundi, que disse ao fórum não esperar uma recessão em 2022 e a considerar improvável em 2023, apesar de alguns riscos elevados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A última vez que essa parte da curva de juros, que compara os rendimentos dos Treasuries de dois e dez anos, se inverteu foi em 2019 e, no ano seguinte, os EUA entraram em recessão –ainda que causada pela pandemia.

“Não estou descartando que uma recessão seja possível. No entanto, se olharmos para os fundamentos do mercado de alto rendimento (de títulos) e para as economias que o consumidor –especialmente nos EUA– acumulou … não vejo uma recessão no curto prazo”, disse Monaghan.

Ajudada pela pandemia, a riqueza das famílias norte-americanas subiu para um recorde de US$ 150,3 trilhões no último trimestre de 2021, um colchão financeiro que pode manter os consumidores gastando e limitar os danos econômicos da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Embora Browne espere mais inversões na curva de juros, ela acha que sua confiabilidade como indicador de recessão diminuiu, principalmente porque as compras massivas de títulos por parte do Federal Reserve têm mantido os rendimentos de longo prazo suprimidos.

“Não estaríamos experimentando o mesmo nivelamento da curva sem flexibilização quantitativa”, disse Browne, acrescentando que a curva de juros “real”, ou ajustada pela inflação, é um indicador melhor dos riscos para o crescimento.

Compartilhe esta publicação: