Força-tarefa dos EUA contra oligarcas da Rússia vê evidências de evasão de sanções

Autoridades buscam pressionar o presidente russo Vladimir Putin a cessar ataques à Ucrânia.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Yoruk Isik/Reuters
Yoruk Isik/Reuters

A força-tarefa dos EUA direcionada a oligarcas russos vê indícios de transferência de ativos como iates e aeronaves

Acessibilidade


A força-tarefa do Departamento de Justiça dos Estados Unidos direcionada a ativos de oligarcas russos tem visto evidências de tentativas de evasão de sanções ou de transferência desses ativos em antecipação a possíveis sanções, afirmou o chefe da unidade ontem (1).

O procurador veterano indicado para liderar a nova força de “KleptoCaptura” no mês passado, Andrew Adams, disse à Reuters que o nível de colaboração entre países nas investigações sobre os ganhos ilícitos de oligarcas chegou a uma “alta histórica” na esteira da invasão russa à Ucrânia, potencialmente ajudando os procuradores a rastrearem suas iniciativas de ocultar patrimônio.

LEIA TAMBÉM: Saiba quais são os jatinhos e helicópteros dos bilionários russos sancionados

“Há iniciativas em andamento — algumas delas reportadas publicamente — para transferir, por exemplo, propriedades móveis na forma de iates, aeronaves… para jurisdições onde, acredito, há uma percepção de que seria mais difícil de investigar e mais difícil de congelar”, disse Adams.

O objetivo da força-tarefa é colocar as finanças de oligarcas russos sob tensão na intenção de pressionar o presidente russo Vladimir Putin a cessar ataques à Ucrânia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O nome da unidade é um trocadilho com a palavra “cleptocracia“, uma referência a autoridades corruptas que fazem uso irregular do poder para acumular riquezas. Isso inclui procuradores, investigadores e analistas de uma série de agências federais.

Os Estados Unidos e seus aliados impuseram várias rodadas de sanções nas últimas semanas direcionadas a Putin, a muitos de seus amigos abastados e a dezenas de empresas e agências governamentais russas, algumas delas acusadas de espalhar a desinformação com o objetivo de desestabilizar o governo ucraniano.

Compartilhe esta publicação: