Rússia pode estar em default, diz agência Moody's

Se a situação for declarada, isso marcaria o primeiro grande calote da Rússia desde a revolução bolchevique de 1917.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Alexey Malgavko/Reuters
Alexey Malgavko/Reuters

Notas de rublo em supermercado de Tara, Rússia

Acessibilidade


A agência de classificação de risco Moody’s disse que a Rússia pode estar em default porque tentou pagar seus títulos em dólar em rublos, o que seria uma das consequências mais duras até hoje da exclusão de Moscou do sistema financeiro ocidental desde a invasão da Ucrânia pelo presidente Vladimir Putin.

Se a situação for declarada, isso marcaria o primeiro grande calote da Rússia em títulos estrangeiros desde os anos que se seguiram à revolução bolchevique de 1917, embora o Kremlin diga que o Ocidente está forçando um default ao impor sanções incapacitantes.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A Rússia efetuou um pagamento com vencimento em 4 de abril de dois títulos soberanos – com vencimento em 2022 e 2042 – em rublos, em vez de dólares que foi obrigada a pagar sob os termos dos títulos.

A Rússia, portanto, “pode ​​ser considerada em default na definição da Moody’s se não for sanada até 4 de maio, que é o fim do período de carência”, disse a Moody’s em comunicado nesta quinta-feira.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Os contratos de títulos não têm previsão de pagamento em nenhuma outra moeda que não seja dólares.

A Moody’s disse que enquanto alguns eurobonds russos emitidos após 2018 permitem pagamentos em rublos sob algumas condições, aqueles emitidos antes de 2018 – como os com vencimento em 2022 e 2042 – não.

“A opinião da Moody’s é que os investidores não obtiveram a promessa contratual em moeda estrangeira na data de vencimento do pagamento”, disse a Moody’s.

O Ministério das Finanças russo não respondeu a um pedido de comentário nesta sexta-feira. O ministro das Finanças, Anton Siluanov, disse ao jornal Izvestia no início deste mês que, se a Rússia for forçada a dar calote, tomará medidas legais.

Compartilhe esta publicação: