Petrobras diz que conselho discutiu mudança de CEO, mas nenhuma decisão foi tomada

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


SÃO PAULO (Reuters) – A Petrobras informou nesta quinta-feira que debateu em reunião de Conselho de Administração, na véspera, mudança do presidente-executivo solicitada pela União em 23 de maio, mas acrescentou que o colegiado não tomou qualquer nova deliberação com relação ao tema além do já comunicado em 25 de maio.

Na reunião do dia 25, o conselho da Petrobras decidiu submeter o nome do indicado para o cargo de CEO, Caio Mario Paes de Andrade, ao processo de governança interna, conforme prevê a Política de Indicação de Membros da Alta Administração.

Naquela oportunidade, Petrobras ainda listou outras etapas para a substituição do CEO, que deverá implicar em modificações no conselho de administração, após o governo indicar Andrade para substituir José Mauro Ferreira Coelho.

Pelo fato de Coelho ter sido eleito pelo sistema do voto múltiplo como conselheiro e depois como CEO, o governo deve enviar novamente nomes para o colegiado, que também deverão ser analisados pelo Comitê de Pessoas.

A manifestação da Petrobras nesta quinta-feira comentou notícias publicadas na mídia, sem fazer referência específica. Nesta quinta-feira, o colunista Lauro Jardim disse que o governo teria uma proposta para demitir a diretoria da empresa, o que envolveria um movimento do conselho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As notícias têm indicado que o governo está descontente com a demora no processo, disparado por descontentamento do presidente Jair Bolsonaro com a política de preços de combustíveis da companhia.

A Reuters publicou ao final de maio que uma nova regra para indicações de conselheiros para a estatal, publicada pelo próprio governo, poderia resultar em um prazo de cerca de 60 dias para aprovação dos nomes, caso o Comitê de Pessoas, Elegibilidade, Sucessão e Remuneração (Celeg) tome tempo para a aprovação.

(Por Roberto Samora)

Compartilhe esta publicação: