Dolár cai e fecha abaixo de R$ 5,25 após aumento de juros pelo Fed

Real registrou o segundo melhor desempenho global neste pregão e se beneficiou de movimento generalizado de venda da moeda dos EUA

Redação
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Queda deixou o dólar abaixo de sua média móvel de 200 dias pela primeira vez desde 30 de junho

Acessibilidade


O dólar fechou em firme queda hoje (27) e chegou ao menor valor em quase um mês. A moeda encerrou o dia em baixa de 1,89%, a R$ 5,2482 na venda, o que conferiu ao real o segundo melhor desempenho global na sessão. O câmbio se beneficiou de uma onda de vendas da divisa norte-americana na esteira de sinalização do Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos) que limou apostas em aumentos mais agressivos dos juros.

A queda deixou o dólar abaixo de sua média móvel de 200 dias pela primeira vez desde 30 de junho. Rompimentos sustentados desse patamar são vistos na análise técnica como sinalizadores de mais desvalorização do preço do ativo –no caso, o dólar.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O movimento do câmbio foi pautado pela decisão do Federal Reserve, anunciada na tarde de hoje, de elevar em 0,75 ponto percentual a taxa de juros dos Estados Unidos – o reajuste veio em linha com as expectativas do mercado.

Depois de uma alta de 0,75 ponto percentual no mês passado e movimentos menores em maio e março, os juros norte-americanos já subiram 2,25 pontos percentuais neste ano. O Fed luta contra uma explosão de inflação como a vista na década de 1980.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A taxa de juros está agora no nível que a maioria das autoridades considera ter um impacto econômico neutro, marcando o fim dos esforços da era da pandemia para incentivar os gastos das famílias e das empresas com dinheiro barato.

O comunicado  divulgado nesta tarde deu pouca orientação explícita sobre quais passos o Fed pode tomar em seguida, decisão que dependerá bastante de os próximos números econômicos mostrarem ou não que a inflação começou a desacelerar.

(Com Reuters)

 

Compartilhe esta publicação: