PepsiCo diz que salgadinhos e bebidas podem ficar mais caros

Segundo a companhia, houve pouco impacto na demanda por seus refrigerantes e salgadinhos, apesar da inflação mais alta.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Foto: Divulgação/ Pepsico
Foto: Divulgação/ Pepsico

Pepsico é detentora de marcas como Doritos, Lays, Ruffles e Cheetos.

Acessibilidade


A PepsiCo elevou a projeção de receita para 12 meses nesta terça-feira (12) e disse que pode aumentar ainda mais os preços de seus produtos nos próximos meses, com a companhia vendo pouco impacto na demanda por seus refrigerantes e salgadinhos, apesar da inflação mais alta em décadas.

Por volta de 11h, as ações da empresa subiam 0,4%, para US$ 171,1 cada (horário de Brasília).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O diretor financeiro da PepsiCo, Hugh Johnston, disse à Reuters que a empresa não viu nenhuma desaceleração na demanda em resposta aos aumentos de preços, amplamente implementados no final do ano passado, e que havia espaço para novas elevações.

“Em um mundo onde estamos vendo coisas como óleo vegetal, grãos e preços de embalagens aumentando dramaticamente, eu ficaria surpreso se não houvesse mais (aumento de preços) ao longo do próximo ano”, disse Johnston.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A receita líquida da empresa no segundo trimestre fiscal (encerrado em 11 junho) subiu 5,2%, para US$ 20,23 bilhões, superando as estimativas de US$ 19,51 bilhões , segundo dados compilados pelo IBES, da Refinitiv. A companhia também bateu as projeções de lucro.

Johnston acrescentou que a PepsiCo estava tendo “conversas construtivas” com a maioria dos varejistas sobre repassar os aumentos de preços aos consumidores.

A PepsiCo espera que a receita orgânica, que elimina o impacto das flutuações cambiais, do ano fiscal de 2022 aumente 10% em comparação à projeção anterior de aumento de 8%.

A companhia também busca cortar custos com embalagens mais baratas e uma abordagem de contratação mais cautelosa, disse Johnston.

A PepsiCo registrou uma despesa de US$ 1,4 bilhão em seu segundo trimestre, principalmente relacionada à baixa contábil de alguns ativos devido ao conflito entre Rússia e Ucrânia.

Compartilhe esta publicação: