Adriana Varejão tem sua carreira retratada em exposição na Pinacoteca

“Suturas, fissuras, ruínas” reúne obras desde os anos de estudante da artista plástica carioca.

Martina Colafemina
Compartilhe esta publicação:
Martina Colafemina/Forbes Brasil
Martina Colafemina/Forbes Brasil

No octógono da Pinacoteca destacam-se as “Ruínas de Charque” (2021), em que duas obras foram feitas exclusivamente por Adriana Varejão para a exposição

Acessibilidade


O acervo praticamente completo ​​de Adriana Varejão está de volta ao Brasil. Das pinturas barrocas de 1980, quando frequentava a Escola de Artes Visuais do Parque Lage, às “Ruínas de Charque” (2021), sua última série, os trabalhos podem ser vistos a partir de hoje na Pinacoteca (Praça da Luz, 2 – Bom Retiro, São Paulo-SP). O destaque na área central do prédio, a pedido de Varejão, são as pinturas tridimensionais “Moedor” (2021), “Ruína 22” (2022) e “Ruína Brasilis” (2022). Os dois primeiros foram feitos especialmente para a exposição e o terceiro foi doado pela artista para a Pinacoteca.

Reconhecida internacionalmente, Varejão está em coleções privadas e públicas pelo mundo. Por aqui, destaca-se seu pavilhão permanente no Instituto Inhotim, em Minas Gerais. No exterior, suas coleções podem ser vistas na Foundation Cartier pour l’Art Contemporain, em Paris, no Metropolitan Museum of Art (MAM) e no Guggenheim Museum, em Nova York, entre outros.

Outra pintura significativa é “Anjos”, exposta no Museu Stedelijk, em Amsterdã desde 1989 e que agora volta ao Brasil. 

As pinturas trazem uma reflexão sobre a arte brasileira quando se comemoram 100 anos  da Semana de Arte Moderna de 1922. “Se existe um legado dessa semana, é pensar qual história estamos contando, qual não foi contada e que foi silenciada”, diz Johen Volz, diretor-geral da Pinacoteca e curador da exposição. 

O acervo reúne mais de 60 obras em sete salas, além do octógono e será aberto ao público amanhã. As pinturas podem ser vistas até 1º de agosto. Os ingressos custam R$ 10 (meia-entrada) e R$ 20 (inteira). O acesso é gratuito para crianças de até 10 anos e pessoas acima de 60 anos. Aos sábados, a entrada é livre. Você pode reservar os ingressos aqui

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Varejão é uma das artistas brasileiras mais valorizadas do mercado de arte internacional. A obra “Parede com Incisões à La Fontana II” (2001) tem o recorde do maior preço já pago em uma obra de um brasileiro vivo. A pintura foi leiloada na Christie’s de Londres em 2011 por R$ 2,72 milhões. Suas obras já integraram diversas coleções particulares de milionários como o banqueiro José Olympio Pereira.

  • Martina Colafemina/Forbes Brasil

    Ruína 22 (2022)

  • Martina Colafemina/Forbes Brasil

    Ruína Brasilis (2021)

  • Martina Colafemina/Forbes Brasil

    Azulejos (1988)

  • Martina Colafemina/Forbes Brasil

    Filho Bastardo (1992)

  • Martina Colafemina/Forbes Brasil

    Prato com mariscos (2009)

  • Martina Colafemina/Forbes Brasil

    Detalhe de “Prato com mariscos” (2009)

  • Martina Colafemina/Forbes Brasil

    Detalhe de “Nascimento de ondina” (2009)

  • Martina Colafemina/Forbes Brasil

    Azulejões (2000)

Martina Colafemina/Forbes Brasil

Ruína 22 (2022)

 

Compartilhe esta publicação: