Conheça 3 ucranianas que estão ajudando seu povo a permanecer vivo e são

Uma médica, uma urbanista e uma dona de casa contam suas ações durante a guerra, que estão fazendo a diferença na vida de muitas pessoas.

MeiMei Fox
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Conheça três ucranianas que estão fazendo a diferença na vida das pessoas de suas comunidades

Acessibilidade


Com a guerra na Ucrânia como a principal preocupação em todo o mundo, as pessoas que vivem sob o cerco russo, enfrentando a constante ameaça de bombardeios, estão encontrando maneiras de lidar com sua nova realidade e isso não é diferente para as mulheres ucranianas. Em apenas 12 dias, quaisquer planos futuros tornaram-se irrelevantes. O único foco agora, eles dizem, é “permanecer vivo e são”.

Aqui estão as histórias de três ucranianas* que estão aproveitando o poder e a paixão de seus propósitos de vida para ajudar a comunidade em um momento extremamente difícil. Embora elas venham de diferentes áreas da Ucrânia e tenham abordagens muito diferentes, estão ligadas por um fio comum – o otimismo constante. As três acreditam em um futuro de sucesso e estão constantemente trabalhando para isso.

A médica

Com a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmando os ataques russos aos serviços médicos ucranianos, “a Ucrânia precisa desesperadamente de ajuda médica agora”, diz Johonniuss Chemweno, CEO da VIP StarNetwork, uma operadora de saúde móvel online americana. “Não podemos esperar pela diplomacia. Como parte do apelo à ação, precisamos de um alto nível de envolvimento de assistência médica dos países vizinhos e organizações internacionais para fazer parceria com a Ucrânia e garantir que o atendimento médico de emergência esteja disponível neste momento urgente”.

Felizmente, Khrystyna, de Kharkiv, já está ajudando no terreno da Ucrânia. Apaixonada pela medicina de guerra muito antes de haver qualquer sinal de tensão em seu país de origem, ela estudou para ser médica militar, antes de mudar para a oncologia pediátrica. Como a vida era pacífica na Ucrânia há apenas alguns anos, ela escolheu seguir um campo diferente e se concentrar em seu doutorado. 

No primeiro dia da guerra, Khrystyna ouviu de sua mãe: “Parece que a cidade está sendo bombardeada”. Algumas horas depois, enquanto lutava contra seu próprio medo e pânico, decidiu abraçar sua formação médica. Agora, ela está trabalhando para fornecer medicamentos e assistência médica gratuitos às pessoas em Kharkiv, além de alimentos e transporte.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Eu estava tendo outro ataque de pânico quando de repente entendi que a melhor maneira de lidar com isso é ajudar”, diz Khrystyna. “Meus pais estão ansiosos, então eu os trouxe a bordo também. Nosso trabalho ajuda a aliviar a dor do desconhecido. Ajudar uns aos outros é a nossa maneira de nos manter vivos e sãos.”

A princípio, Khrystyna recorreu à sua rede pessoal para obter assistência. Apenas alguns dias depois, com a ajuda das mídias sociais, ela conseguiu espalhar a mensagem muito além de seus amigos e colegas. “Agora todos estão ajudando uns aos outros, e é assim que deve ser”, diz. “É claro que as pessoas também estão ficando mais cautelosas, mas muitas estão prontas para arriscar suas vidas para fornecer medicamentos e alimentos a outras pessoas.”

Quando questionada sobre qual mensagem gostaria de compartilhar com a comunidade internacional, Khrystyna disse: “Não subestime a segurança. Não pense que você e sua família estarão sempre seguros. Esteja preparado e pronto para agir. Além disso, diga a eles que você os ama.”

A urbanista

Oleksandr, uma urbanista de Kiev que conseguiu fugir para a Ucrânia ocidental, está relativamente segura. Junto com muitos outros ucranianos que fugiram para áreas mais seguras no país ou no exterior, ela se sente responsável por ajudar aqueles que ainda estão em perigo. “Vejo pessoas ajudando umas às outras regularmente, mesmo que seja estressante”, diz Oleksandr. “Nosso mundo e nossas vidas nunca mais serão os mesmos, mas todos são pacientes e compreensivos uns com os outros.”

Oleksandr está focada em fazer o melhor uso de sua experiência em planejamento urbano. “Graças às comunidades online, podemos organizar iniciativas com pessoas de toda a Ucrânia. Como urbanista, lidero uma comunidade que trabalha com a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID). Estamos trabalhando na criação de protocolos para restaurar nosso país e ajudar nossas cidades. Estamos focados em construir cidades e comunidades mais fortes e resilientes, juntamente com áreas públicas e infraestrutura. Planejadores urbanos de toda a Ucrânia se uniram para compartilhar seus conhecimentos e estamos recebendo ajuda de pessoas de nossa indústria globalmente.”

A vizinha

Para Vasyl, da região de Vinnytsya, os eventos dos últimos dias serviram como um chamado para se conectar com os vizinhos. Ela rapidamente se tornou parte integrante de sua comunidade local. “Quando me mudei para minha casa há dois anos, nem falava com a maioria dos meus vizinhos”, diz Vasyl. “Estávamos no meio da pandemia, então definitivamente não era o melhor momento para festas de inauguração. A extensão do meu envolvimento na comunidade foi limitada a bate-papos online sobre descarte de lixo.”

Então começou o bombardeio. A casa de Vasyl não tem um porão, mas as pessoas em sua cidade estão sendo instruídas a se proteger. Ter um abrigo subterrâneo é uma questão de vida ou morte. Todo mundo está procurando locais adequados para “manter-se vivo e são”.

“Agora, em vez de falar sobre descarte de lixo em nosso grupo de mensagens online, os membros de nossa comunidade estão oferecendo seus porões como abrigos para estranhos, discutindo a reconstrução do hospital militar e reunindo sacos, pás e areia para proteção e reconstrução”, diz Vasil. “É maravilhoso ver as pessoas se unirem para ajudar umas às outras e o nosso país.”

*Esse artigo usa apenas primeiros nomes para proteger as três ucranianas.

 

Compartilhe esta publicação: