CyberLabs e PSafe anunciam fusão e criam o maior grupo de segurança cibernética da América Latina

Getty Images
Getty Images

Um dos objetivos do Grupo CyberLabs é expandir sua presença no segmento B2B

A CyberLabs, startup brasileira de inteligência artificial (IA), e a PSafe, desenvolvedora nacional de soluções de segurança, performance e privacidade, acabam de anunciar uma fusão. A operação cria o Grupo CyberLabs, que se autodenomina a maior companhia de inteligência artificial e cibersegurança da América Latina. A expectativa é que o movimento gere um faturamento superior a R$ 100 milhões em 2021.

Com atuação no Brasil e nos Estados Unidos, as empresas possuem mais de 6 milhões de usuários ativos, entre pessoas físicas e jurídicas, e uma equipe de mais de 150 engenheiros e pesquisadores com foco em inteligência que integram um dos maiores laboratórios de pesquisa em segurança cibernética da região.

VEJA TAMBÉM: Novo vazamento expõe 100 milhões de contas de celular de brasileiros

A transação foi apoiada pela Redpoint eventures, que em agosto de 2020 liderou uma rodada de investimentos de R$ 28 milhões na CyberLabs. A empresa de capital de risco é investidora da PSafe desde 2013.

A CyberLabs desenvolve e implementa produtos baseados em IA e uma de suas principais soluções é o KeyApp, uma ferramenta que permite o acesso aos estabelecimentos por reconhecimento facial ou QR code, sem contacto físico. A PSafe foi a responsável por identificar o maior vazamento de dados da população brasileira, que comprometeu mais de 223 milhões de informações que estavam sendo vendidas na deep web. Na última semana, a empresa anunciou outra atividade criminosa, desta vez relacionada a informações de 100 milhões de contas de telefones celulares.

Um dos principais objetivos do Grupo CyberLabs é expandir sua presença no segmento B2B, principalmente no mercado brasileiro, ao promover a democratização e ampliação da segurança cibernética no país e utilizar a inteligência artificial para criar vantagem competitiva.

“O Brasil está entre as dez maiores economias do mundo, mas ocupa a penúltima posição no ranking global de detecção de ameaças, à frente apenas da Turquia. Um vazamento de dados no Brasil leva, em média, 46 dias para ser identificado, o que é um período inaceitável. Há muito a ser feito no país e, com a fusão, temos tecnologias de ponta suficientes para evoluir dez anos de conhecimento em apenas um ano”, afirma o presidente do Grupo CyberLabs, Marco DeMello.

A aposta do Grupo CyberLabs está principalmente no segmento de pequenas e médias empresas, em função de sua expansão nos últimos tempos e por ter sido um dos principais alvos de cibercriminosos. Devido ao crescimento do número de ataques cibernéticos e vazamentos de dados corporativos nos últimos meses, observou-se um movimento dessas empresas em busca de prevenção e proteção. Esse cenário no Brasil foi agravado pela pandemia de Covid-19 e pela adoção de medidas de isolamento social, que levaram as organizações a acelerarem suas jornadas de transformação digital no último ano e a expandir sua presença virtual. Isso criou um cenário atraente para o crime cibernético.

LEIA TAMBÉM: Responsável por vazamento em massa de dados não é brasileiro

“Vamos disponibilizar o que há de mais moderno em inteligência artificial para ajudar as empresas brasileiras a se protegerem na internet”, afirma Marcelo Sales, CEO do Grupo. “Vivemos uma pandemia digital e como as pequenas e médias empresas não têm estruturas ou recursos suficientes, cada colaborador remoto torna-se um ponto adicional de vulnerabilidade.” DeMello acrescenta que um único dispositivo desprotegido é o suficiente para que um golpe seja bem-sucedido. “Só em 2020, mais de 600 milhões de URLs maliciosas foram detectadas no Brasil e um ataque é registrado a cada 16 segundos. É inaceitável uma batalha na qual os hackers usam inteligência artificial em seus golpes e as empresas lutam sem as mesmas armas. É preciso estar cada vez mais preparado para se defender adequadamente.”

Os executivos também ressaltam que o cenário brasileiro é favorável aos planos do grupo graças à recente aprovação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que estabelece regras sobre coleta, armazenamento, tratamento e compartilhamento de informações, impondo pesadas penalidades às empresas que não seguirem a regulamentação.

A estratégia do grupo é disponibilizar ainda mais produtos baseados em IA, principalmente o dfndr enterprise. Essa tecnologia monitora a deep web – parte da web que não é indexada por mecanismos de busca e escondida do público – 24 horas por dia, sete dias por semana, e oferece proteção preditiva e proativa para empresas de todos os portes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).