EXCLUSIVO: Startup cria plataforma para que pessoas físicas possam investir em empreendimentos imobiliários

Cotas variam de R$ 5 mil a R$ 10 mil e rentabilidade pode chegar a 40% .

Matheus Riga
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Os cofundadores da COTAI, Gabriel Pagliarin (à esq.) e Renan Monteiro (à dir.), preveem a movimentação de R$ 100 milhões por ano na plataforma até 2023

Acessibilidade


A ideia de transformar pessoas físicas em sócias de empreendimentos da construção civil foi o que uniu o Forbes Under 30 Gabriel Pagliarin e o empreendedor Renan Monteiro na criação da startup COTAI. Com um investimento inicial de R$ 2,5 milhões, ambos desenvolveram uma plataforma que anuncia cotas – contratos que garantem participação societária – de projetos imobiliários em processo de captação de recursos para as etapas de construção. A perspectiva do negócio é movimentar R$ 100 milhões nos próximos dois anos.

Em operação desde o final de julho, a construtech de Monteiro e Pagliarin alimenta duas pontas do ecossistema da construção civil. De um lado, possibilita que empreiteiras, construtoras e imobiliárias anunciem cotas na plataforma para financiar a construção do imóvel. Do outro, oferece a oportunidade para que pessoas físicas adquiram essas cotas, ajudando a compor o orçamento da obra e garantindo participação nos lucros relacionados às vendas posteriores. O valor recebido pelo investimento é proporcional ao número de cotas adquiridas.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

Atualmente, a COTAI possui dois empreendimentos de alto padrão com cotas disponíveis para investimento e rentabilidade prevista de 28%, conforme informações da startup. Ambos os imóveis estão localizados no estado de São Paulo, com previsão de entrega em 2022. A perspectiva é de que mais três projetos sejam adicionados à plataforma até o final deste ano. “Tivemos muita procura de grandes empreiteiras, mas queremos ir devagar para validar o nosso modelo. Não queremos meter os pés pelas mãos”, diz Pagliarin.

Para os usuários que se cadastrarem na COTAI, a promessa é de que as cotas tenham um preço médio entre R$ 5 mil e R$ 10 mil, além de uma rentabilidade que pode chegar até 40%. “Hoje, as pessoas procuram produtos financeiros com segurança de uma renda fixa, mas não querem se expor às movimentações da renda variável”, afirma Monteiro. “No nosso modelo, o investidor se torna sócio efetivo de um empreendimento imobiliário, sem precisar se tornar um especialista e nem abrir um CNPJ, com chance de acompanhar a construção.” O contrato entre as duas pontas é firmado em estrutura de SCP (Sociedade em Conta de Participação).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

VEJA TAMBÉM: Under 30 2020: 90 destaques brasileiros abaixo dos 30 anos

Por cada projeto, a COTAI recebe uma porcentagem dos valores coletados para o financiamento dos empreendimentos. “A monetização da plataforma é em cima da movimentação do dinheiro, como se fosse um meio de pagamento”, afirma Pagliarin. A projeção da empresa é movimentar R$ 100 milhões nos próximos dois anos de operação, uma média entre R$ 8 mil e R$ 10 milhões por mês. Por enquanto, o foco da construtech será na região de São José dos Campos (SP), mas existe a pretensão de ampliar a atuação geográfica para outras cidades do estado de São Paulo nos próximos 24 meses.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: