Apple lança iPhone 13 com chip mais potente, atualiza iPad Mini, de olho no 5G

Divulgação/Apple
Divulgação/Apple

Anunciado hoje (14) pela Apple, iPhone 13 custará a partir de US$ 699

A Apple apresentou hoje (14) um novo iPhone 13 e um 13 Mini com telas mais brilhantes para atrair clientes para planos 5G, e anunciou atualizações para seus iPads e relógios.

A empresa atualizou seu iPad básico com um chip mais poderoso e câmera melhor para trabalho e aprendizado remotos.

LEIA TAMBÉM: 5 fatos que você precisa saber sobre o leilão do 5G no Brasil

O iPhone 13 terá um novo chip com recursos como o de detectar automaticamente quando a câmera do telefone está apontada para o texto. A Apple disse que o iPhone 13 terá antenas 5G customizadas e componentes de rádio para velocidades mais rápidas. O preço do telefone será a partir de US$ 699.

O novo iPad começará a ser vendido a US$ 329 e estará disponível na próxima semana.

Operadoras como a AT&T, Verizon e T-Mobile, devem oferecer novas iniciativas em torno de dispositivos que possam aproveitar as velocidades maiores das redes, afirmou Ben Bajarin, chefe de tecnologias do consumidor na Creative Strategies.

“Parece haver muito mais (capacidade de rede 5G) do que havia mesmo seis meses atrás”, disse Bajarin. “Elas querem que as pessoas atualizem. Serão muito agressivos”.

Os lançamentos acontecem no momento em que suas ações estão um pouco opacas, após práticas como cobrar comissão de desenvolvedores de software em pagamentos dentro dos aplicativos terem virado alvo de órgãos reguladores.

As ações da Apple têm alta de cerca de 15,6% no ano, abaixo do Nasdaq, com alta de 19% no mesmo período.

O iPhone 13 provavelmente não terá um visual muito diferente do que a versão anterior. Mas analistas esperam que tenha chips mais rápidos de processador e wi-fi. A Bloomberg publicou que o principal modelo deve focar em melhoras à tela e à câmera, como um “modo retrato” para tirar o foco do plano de fundo na hora de gravar vídeos.

Analistas também acreditam que a Apple continuará a fazer atualizações constantes ao Apple Watch, que se tornou central ao seu segmento de acessórios de US$ 30,6 bilhões e que havia crescido 25% no ano fiscal mais recente da Apple, enquanto as receitas do iPhone diminuíram ligeiramente.

A Apple deve focar em recursos de forma física com o relógio, intimamente ligado ao Apple Fitness+, um serviço pago que oferece exercícios guiados com instrutores da marca. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).