Criptomoeda Will Smith Inu bate recorde de valorização

Moeda digital que surgiu a partir do tapa do ator no Oscar teve alta de 1600% em suas primeiras 24 horas .

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Reprodução

O tapa do ator Will Smith no comediante Chris Rock registrado no site oficial do Will Smith Inu

Acessibilidade


O tapa do ator Will Smith no comediante Chris Rock, na noite do Oscar, no domingo, (27), não rendeu apenas discussões e divisões de opinião, mas também fez surgir uma memecoin, em outras palavras: criptomoeda baseada em memes. Neste caso, a Will Smith Inu foi criada logo que o tema repercutiu e, com 24 horas de existência, seu valor já havia crescido 1600%.

A WSI também já sofreu da volatilidade típica desse tipo de ativo virtual despencando 55% comparada ao crescimento de ontem. Outras criptomoedas também surgiram de momentos eternizados na internet como a Dogecoin, que nasceu inspirada em um meme do cachorro da raça japonesa Shiba Inu. Também existiu a Mongoose Coin, que chegou a ter valorizações de até 400%. Neste caso, a criptomoeda zombava de congressistas americanos.

Os aprendizados com a Dogecoin

Com alguma frequência, a Dogecoin, memecoin mais conhecida até o momento, gera repercussão, sobretudo por ter como “padrinho” o bilionário Elon Musk. Em dezembro do ano passado, por exemplo, Elon Musk, que ajudou o dogecoin a se tornar um importante criptoativo este ano, explicou exatamente por que apoia o memecoin em vez do bitcoin, ethereum e outras criptomoedas.

LEIA TAMBÉM: Parece meme, mas é criptomoeda: conheça os ativos mais inusitados do mercado

Musk, em conversa com a revista Time após ser nomeado a Personalidade do Ano de 2021, disse que considera o dogecoin mais adequado para transações do que o bitcoin e que a memecoin tem um “potencial muito maior”. “O bitcoin é um exemplo interessante e é o principal motor disso”, disse Musk em um vídeo compartilhado no Twitter pela Time.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Compartilhe esta publicação: