China eleva previsão de importação de milho em 2020/21 a 22 milhões de toneladas

Ryan Woo/Reuters
Ryan Woo/Reuters

A ação reflete a demanda em meio a preços mais altos, segundo o Ministério da Agricultura chinês

Hoje (9), o Ministério da Agricultura da China mais que dobrou a sua previsão para as importações de milho em 2020/21, chegando ao número de 22 milhões de toneladas de grãos. A ação reflete a demanda em meio a preços mais altos.

Comerciantes e produtores chineses estão comprando grãos para ração no mercado global – incluindo milho, cevada e sorgo – após o cereal doméstico disparar de preço devido à oferta escassa e a demanda ser cada vez maior em razão da recuperação acelerada dos plantéis de suínos.

LEIA MAIS: China quer produtos do agro do Brasil de maior valor, além de grãos, diz embaixador

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) já projetou que as importações de milho da China na campanha de comercialização de 2020/21 atingiriam 24 milhões de toneladas.

No curto prazo, a oferta e a demanda do milho doméstico estarão basicamente equilibradas, e é improvável que os preços do milho subam ou caiam significativamente, disse o ministério.

O governo chinês também elevou sua previsão de produção de óleo comestível na campanha de comercialização de 2020/21, para 28,49 milhões de toneladas, um aumento de 1,26 milhão de toneladas em relação à estimativa anterior, já que mais cargas de colza de países como a Rússia devem entrar, de acordo com o comunicado.

A China projeta trazer 9,33 milhões de toneladas de óleo comestível, 880 mil toneladas acima da previsão do mês passado, principalmente porque os estoques comerciais no país estavam em níveis historicamente baixos e a demanda por importações era forte, segundo o documento. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).