Milho tem máxima de 8 anos com suprimentos apertados e seca no Brasil

Contratos futuros do grão na bolsa de Chicago atingiram o maior valor desde março de 2013.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Jim Young/Reuters
Jim Young/Reuters

Contratos futuros de milho tiveram o maior preço desde 2013

Acessibilidade


Os contratos futuros de milho na bolsa de Chicago atingiram o maior valor desde março de 2013 ontem (3), pela alta demanda por suprimentos dos Estados Unidos e preocupações com a seca no Brasil.

Comerciantes continuam a avaliar o aperto global, com os produtores dos Estados Unidos focando no plantio de milho e soja, ao invés de realizarem vendas dos produtos que restam em seus armazéns.

LEIA MAIS: Tonelagem de milho do Brasil cairá para 104,14 milhões em 2020/21, prevê Safras & Mercado

No Brasil, a segunda safra de milho 2020/2021 foi estimada em 72,7 milhões de toneladas, ante 77,65 milhões na previsão do mês anterior, de acordo com a corretora e consultoria StoneX.

“O mercado de milho continua a procurar por um preço que levará a vendas adequadas de produtos, e a atenção de fazendeiros agora está principalmente em conseguir plantar a safra”, afirmou Tomm Pfitzenmaier, analista da Summit Commodity Brokerage, em Iowa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O vencimento mais ativo do milho fechou em alta de 6,25 centavos de dólar, a US$ 6,795 por bushel, após estabelecer mais cedo um pico de oito anos de US$ 6,98.

Enquanto isso, o trigo despencou 16,75 centavos, para US$ 7,18/bushel.

A soja para julho caiu 10,50 centavos, para US$ 15,24 o bushel, e o contrato novembro, que representa a nova colheita, fechou em alta de 5 centavos, a US$ 13,4475 o bushel. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: