Frigol dará férias coletivas em unidade no Pará, mas diz que não tem relação com suspensão da China

A companhia dará 15 dias de férias coletivas aos funcionários da unidade de São Félix do Xingu (PA).

Redação
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Segundo a Frigol, as férias coletivas não têm relação direta com a interrupção temporária dos embarques para o país asiático

Acessibilidade


O Frigol, quarto maior frigorífico de carne bovina do país, dará 15 dias de férias coletivas aos funcionários da unidade de São Félix do Xingu (PA), informou a companhia à “Reuters” hoje (6).

A decisão vem após a suspensão temporária de exportações da proteína do Brasil para a China, disse à “Reuters” uma fonte com conhecimento da situação, que pediu para não se identificada.

LEIA TAMBÉM: Embarques de soja e carne bovina crescem na 1ª semana de setembro

Mas, segundo a companhia, as férias coletivas não têm relação direta com a interrupção temporária dos embarques ao país asiático.

O frigorífico, que tem duas das três unidades habilitadas para exportar a China, optou pela antecipação de férias dos trabalhadores para lidar também com uma baixa demanda sazonal de Israel, afirmou o Frigol, por meio de sua assessoria de imprensa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A planta de São Félix do Xingu não está entre as habilitadas para o mercado chinês e foca o mercado israelense.

“Estão aproveitando um intervalo nesse calendário (judaico), por isso esta unidade foi escolhida para as férias coletivas”, disse a empresa por meio da assessoria.

Questionada sobre a suspensão de embarques à China, a assessoria disse não ter informação, citando apenas a relação da decisão com Israel.

A companhia acrescentou que as demais unidades que são habilitadas para a China, em Lençóis Paulista (SP) e Água Azul do Norte (PA), não terão férias – apesar de serem diretamente afetadas pela suspensão de embarques chineses.

VEJA MAIS: Produção total de milho do Brasil em 2020/21 pode recuar em mais de 20 milhões de toneladas ante a safra passada

Com a interrupção das exportações à China, os volumes que seriam embarcados deverão ser direcionados ao mercado interno ou a outros países, segundo especialistas ouvidos pela “Reuters”.

As vendas externas de carne bovina para a China foram suspensas após o Ministério da Agricultura confirmar no sábado dois casos atípicos da doença vaca louca no Brasil. (Com Redação)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: